Clima econômico na A.Latina tem leve alta, mas há cautela--FGV

O clima econômico na América Latina melhorou levemente em julho, em relação a uma perspectiva mais favorável sobre a situação atual, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV) em parceria com o instituto alemão Ifo divulgada nesta quarta-feira.

REUTERS

18 de agosto de 2010 | 08h28

O índice subiu de 5,6 pontos em abril para 6 pontos em julho.

O componente de situação atual avançou de 4,7 para 5,8 pontos, enquanto o de expectativas caiu, de 6,4 para 6,2 pontos.

"A combinação de um índice de situação atual e um índice de expectativas na região de avaliações favoráveis coloca a região na fase de 'boom' do ciclo econômico pela primeira vez desde julho de 2007, embora a queda do índice de expectativas sugira um 'boom' cauteloso", afirmou a FGV em nota.

"A série histórica do índice de clima econômico, desde janeiro de 1990, mostra que um índice de clima econômico no valor de 6 pontos deve ser interpretado como muito favorável".

Entre os países, o indicador de clima econômico para o Brasil permaneceu em 7,3 pontos. O de situação atual aumentou de 8,1 para 8,4 pontos e o de expectativas recuou de 6,4 para 6,1 pontos.

Argentina, Chile, México e Paraguai tiveram alta no índice, com destaque para o México.

"A situação na América Latina, assim como no mundo, sugere cautela. Nos países latinos analisados, as expectativas começaram a apresentar uma trajetória declinante a partir de outubro de 2009 ou janeiro de 2010", acrescentou a FGV.

"No entanto, a avaliação da situação atual registrou um caminho inverso. Os especialistas esperam o pior, que não se concretiza e, logo, avaliam melhor a situação presente. No entanto, não estão seguros da solidez da recuperação."

(Reportagem de Vanessa Stelzer)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROFGVLATAM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.