Clinton elogia atuação brasileira em clima e etanol

O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton afirmou hoje no evento parte do Fórum de Desenvolvimento, organizado pelo Conselho das Américas e pela Associação das Nações Unidas-Brasil (Anubra) que não "há país no mundo fazendo mais esforços para encontrar o caminho para o desenvolvimento sustentável e para salvar do aquecimento global no planeta do que Brasil". Em Nova York, disse admirar a administração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, elogiou a produção de etanol a partir de cana-de-açúcar - classificando-a como mais racional, ao sugerir que a produção a partir do milho seria pouco inteligente -, citou o programa Bolsa Família como exemplo de ação social e chamou a atenção do papel central do País com relação à Amazônia. Clinton afirmou que se sente frustrado com "boas intenções sem atitudes concretas" e disse ter esperança que o Brasil faça esta transposição de idéias para ação. Diante do posicionamento do Brasil sobre as questões de clima e matriz energética, o ex-presidente dos EUA disse à platéia: "pergunto-me se tenho algo a oferecer para vocês". Clinton diz que o melhor que poderia fazer é se oferecer para discutir caso os brasileiros tenham projetos na área e queiram parcerias. Para ele, o mundo será um celeiro de instabilidades se os problemas de mudança de clima no mundo não forem gerenciados. "Não há dúvida que, quando a questão é etanol, a forma mais racional de produção é com cana-de-açúcar", disse o ex-presidente. "Converter cereal em etanol ainda é bastante caro", citando nominalmente o milho e acrescentando também que, no geral, o etanol é 30% menos eficiente que gasolina tradicional. Para que o País estenda o conhecimento na área, ele fez uma recomendação: aproximação com a Etiópia. Bill Clinton citou que o país africano já demonstrou disposição para cultivar cana-de-açúcar."A demanda por combustível alternativo, que vai de óleo de palma até etanol, complica os esforços do presidente Lula para proteger a Amazônia", reconheceu. E citou que um desafio ao Brasil é mostrar para o mundo "como preservar recursos naturais de uma forma que realmente funcione e delinear um método para avançar para o transporte pós-petróleo de uma forma que não faça explodir o custo dos alimentos e não leve a mais desmatamento e não comprometa a oferta de água", afirmou. "Eu tenho passado a minha vida resolvendo problemas e vejo o que vocês estão fazendo. Não sei se conseguiria fazer nem um pouquinho melhor", disse o ex-presidente. ClimaPara Clinton, há poucos países que vão determinar o que acontece em mudança de clima no mundo. "Obviamente, China e Índia, porque são grandes e estão crescendo como loucos". Na seqüência, ele citou os EUA, mas disse acreditar que o "Brasil está posicionado para ter a maior influencia mundial na questão climática por causa da Amazônia, por causa da reputação na área social e porque é uma economia em crescimento". Os chineses, segundo ele, estão envolvidos com os desafios locais e "estão intoxicados com o sucesso da moeda" e assim também estão os indianos. Ele afirmou que é preciso pensar não apenas em soluções grandes, "mas também nas coisas que estão na frente de vocês", dando o exemplo do Bolsa Família, "que fez mais pessoas comerem". Para o ex-presidente, os EUA poderiam ser visto como um parceiro na questão climática, "não importa quem vencer a eleição". Um problema que persiste, advertiu Clinton, é transformar estas credenciais de disposição em ações concretas. "Acredito que o Brasil pode desempenhar um papel central nisto. Primeiro, pois vocês experimentaram problemas sociais e já têm habilidade na área" e citou que o País foi o primeiro latino-americano a atingir presença "quase universal" das crianças em escolas primárias. "Isto é uma grande evidência de empreendedorismo social". AidsClinton também citou o Brasil, fora EUA e Japão, como primeiro país a oferecer tratamento universal para portadores de HIV, "por causa da brilhante rede de distribuição (de medicamento)". Ele elogiou a rede de combate à Aids que alcançou "comunidades indígenas, muitas das quais nem falam português". "Os brasileiros têm provado que quando a questão é desafio social trazem solução para os problemas".

NALU FERNANDES, Agencia Estado

02 de maio de 2008 | 21h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.