Clube é boa opção para pequeno investidor

Pequenos investidores têm dúvidas sobre como entrar para o mundo dos investimentos no mercado acionário. Muitos não conseguem ou têm medo de ingressar neste mundo pela porta da frente, operando diretamente na Bolsa. Uma boa opção para quem pretende investir o dinheiro, além da tradicional poupança, é montar ou ingressar num clube de investimento. Para quem deseja formar um clube, basta reunir amigos que pretendam investir em renda variável.Os primeiros clubes de investimentos surgiram em 1984, quando foi aplicada a legislação da modalidade. A Comissão de Valores Imobiliários (CVM) resolveu regulamentar os clubes com o objetivo de atrair os pequenos e médios investidores. Os clubes são formados por grupos de pessoas físicas (mínimo de 3 e máximo de 150) que têm interesses em comum em investir recursos financeiros próprios, geralmente a longo prazo, para a formação de uma carteira diversificada. Clubes de amigos com vínculo empregatício, ou seja, da mesma empresa, não têm limite para inscrição de cotistas.Para constituir o clube o investidor deve seguir os seguintes passos: definir o grupo, o perfil e valor da carteira; criar os estatutos; indicar uma instituição para administrá-lo e pegar a adesão de cada participante aos estatutos do clube. Depois, o clube deve ser registrado na Bolsa e, posteriormente, no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídicas. Os clubes devem aplicar no mínimo 51% da carteira de ações. O restante pode ser investido em papéis públicos e privados.Luís Américo Ramos, gerente de acompanhamento da CVM, explica que os clubes são subordinados a uma corretora, distribuidora ou instituição financeira. "O clube pode ter como gestor um dos cotistas do clube, mas ele deve ser registrado na CVM", ressalta Ramos. O ideal é manter um administrador profissional para o clube, que é remunerado por manter os cotistas informados sobre todas as movimentações do dinheiro investido. Clubes de investimento são isentos de CPMF O clube é um instituto simples de controlar e esta é a grande vantagem. No clube de investimentos, os investidores podem determinar que papéis investir e acompanhar de perto as movimentações das ações na Bolsa, além de aprender um pouco mais sobre o mercado acionário. Os investidores que já possuem conhecimentos também podem solicitar ajuda às instituições na hora de escolher os melhores papéis.Outra vantagem do clube é que ele está isento do CPMF - Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira - nas operações de compra e venda de ações. O imposto de renda recai sobre o investidor, incidindo na compra. Porém, só é calculado, no resgate da cota, se houver lucro.Clubes de investimentos são fiscalizados pela Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), que cuida do atendimento aos aspectos formais e acompanha mensalmente a composição da carteira de títulos de cada clube e a participação de cada investidor. Atualmente, a Bovespa controla 285 clubes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.