bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

CMN amplia prazo de crédito da Caixa a construtoras

O Ministério da Fazenda avalia que a burocracia da Caixa Econômica Federal está atrasando os empréstimos para capital de giro com garantia do Fundo Garantidor criado no ano passado. Por isso, o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou hoje resolução alterando os prazos para que as construtoras possam realizar esses empréstimos junto à Caixa. Para obter os recursos, as construtoras teriam que ter o registro da incorporação até o dia 1º de outubro de 2008 e poderiam contratar os empréstimos junto à Caixa até o dia 31 de março de 2009. Agora, o banco poderá aceitar registros de incorporação feitos até o dia 30 de junho de 2009, ou seja, inclusive novos lançamentos, e poderá emprestar recursos até o dia 31 de dezembro.Segundo o coordenador-geral de mercado de capitais e crédito da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Esteves Pedro Colnago, a mudança foi para viabilizar a aplicação dos R$ 3 bilhões disponibilizados no ano passado e cuja aplicação até agora ficou "ao redor de R$ 300 milhões". Ele atribuiu o baixo volume emprestado à burocracia da Caixa. "O problema é na parte burocrática da Caixa para liberação dos financiamentos", afirmou Colnago.De acordo com o técnico da Fazenda, se a alteração não fosse feita, o potencial da linha de crédito criada no ano passado não seria atingido. "Nós estamos dando mais prazo para tentar alcançar os R$ 3 bilhões. A medida só atinge os empréstimos da Caixa que têm garantia", afirmou, explicando que o governo ainda detecta problemas de capital de giro no setor de construção.A mudança no prazo de registro de incorporação, segundo Colnago, vai ampliar o universo de empréstimos que a Caixa poderá realizar, permitindo uma seleção de melhor qualidade dos clientes pelo banco.

FABIO GRANER, Agencia Estado

19 de fevereiro de 2009 | 19h48

Tudo o que sabemos sobre:
créditoCaixaCMN

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.