finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

CMN aprova desconto de 10% no financiamento rural

O Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou a concessão de desconto de 10% sobre as parcelas com vencimento em 2007 de financiamento de investimento rural contratado com recursos do FAT e do BNDES, dos programas Moderfrota, Prodecoop e Finame Agrícola Especial. Para ter direito ao rebate, os empréstimos devem ter sido contratados até 31 de junho de 2006 ou em data posterior mas com os encargos estabelecidos para a safra 2005/06.Um segundo critério é que os empréstimos tenham sido contratados com taxas de juros superiores a 8,75% ao ano. O produtor precisa estar adimplente com as parcelas vencidas até 31 de dezembro de 2006. "Para o agricultor que planta qualquer produto o desconto será de 10%, mas não haverá nenhum tipo de prorrogação", afirmou o secretário adjunto de microfinanças e política agrícola do Ministério da Fazenda, Gilson Bittencourt.Para as operações que enquadrem nas condições citadas acima, haverá um tratamento diferenciado se os agricultores forem produtores de algodão arroz, milho, soja, sorgo ou trigo. Bittencourt disse que essas culturas tiveram problemas nos últimos anos, como a seca na região Sul e a ferrugem asiática no Centro-Oeste, e que por isto o governo resolveu dar um tratamento diferenciado para o assunto. Para esses produtores será concedido um desconto de 15% sobre o valor das parcelas, desde que 15% do valor devido seja pago até a data do vencimento. "Ou seja, o produtor que se enquadre nesta categoria vai pagar 15% do que deve e ganhará um bônus de 15% e, o restante, 70% será prorrogado para até 1 ano após o vencimento da última parcela", explicou. Bittencourt disse ainda que o produtor poderá prorrogar para o final do contrato um porcentual inferior a 70%, caso ele tenha condições de saldar um montante maior.

FABÍOLA SALVADOR, Agencia Estado

29 de agosto de 2007 | 15h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.