CMN define meta de inflação de 4,5% para 2013

Meta terá um limite de oscilação de 2 pontos porcentuais para cima ou para baixo

Eduardo Rodrigues e Célia Froufe, da Agência Estado,

30 de junho de 2011 | 13h37

O Conselho Monetário Nacional (CMN) definiu que a meta de inflação para 2013 será de 4,5% e terá um limite de oscilação de 2 pontos porcentuais para cima ou para baixo. Em entrevista coletiva, o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, disse que a decisão de manter a meta de 2013 em 4,5%, com tolerância de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos, foi tomada para "dar uma flexibilidade necessária e compatível com o potencial produtivo do País", mas também por causa do "cenário de incertezas do ambiente internacional".

"O regime de metas é estratégico para a política monetária e tem se mostrado exitoso. Desde 2005 a inflação está dentro da banda de tolerância", destacou Holland. A meta para 2012 também foi mantida em 4,5%, com o mesmo intervalo de tolerância.

Segundo ele, porém, ainda persistem riscos de inflação para este ano e para o próximo, sobretudo decorrentes dos preços do petróleo e de outras commodities alimentícias. "Há menos otimismo com ritmo de crescimento global e é possível que haja uma segunda rodada de choques de commodities", afirmou.

Holland explicitou que as dúvidas quanto ao cenário externo que foram consideradas pelo CMN se devem principalmente ao sistema monetário europeu. "O ambiente internacional ainda inspira cuidados. Esperamos que países da zona do euro superem suas dificuldades, e que o mercado americano também se recupere", acrescentou.

Com a manutenção, a meta de inflação completará em 2013 o nono ano em 4,5%. Desde 2005 o centro da meta (definida em 2003) está fixada neste patamar, e desde 2006 comporta uma variação de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Em 2005, a folga na meta foi de 2,5 pontos percentuais.

De 2005 a 2010, o governo conseguiu segurar a inflação abaixo do centro da meta em três anos (2006, 2007 e 2009), mas superou os 4,5% nas outras três ocasiões, sem ultrapassar o teto de 6,5%. "A determinação do governo é manter inflação controlada, e enveredar esforços para menores inflações no futuro.Mas ambiente internacional não é o mais favorável", concluiu Holland.

Tudo o que sabemos sobre:
metainflaçãoCMNpreços

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.