Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

CMN destina R$ 1 bi a ''''órfãos do câmbio''''

BB e Caixa vão liberar valor para setor têxtil e de calçados e móveis

O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2030 | 00h00

A Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil (BB) foram autorizados pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) a liberar um valor de até R$ 1 bilhão para empréstimo às empresas dos segmentos de calçados, artefatos de couro, têxteis e móveis de madeira dentro do programa Revitaliza.Com juros subsidiados, o programa foi lançado em junho pelo governo para ajudar as empresas que enfrentam dificuldades financeiras por causa da valorização do real frente ao dólar - os chamados ''''órfãos do câmbio''''.A linha de financiamento a essas empresas regulamentada ontem pelo CMN terá recursos do Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT). A Caixa poderá liberar até R$ 330 mil, e o BB, até R$ 670 mil.Os empréstimos só poderão ser usados pelas empresas para capital de giro.Segundo o assessor do Tesouro Nacional Sérgio Jurandir Machado, a expectativa é de que, em setembro, os dois bancos já estejam operando com a nova linha de financiamento.No mês passado, o CMN já tinha regulamentado uma linha de financiamento de R$ 2 bilhões do programa Revitaliza com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para atender às necessidades desses mesmos setores. Mas, no caso da linha do BNDES, o dinheiro obtido poderá ser utilizado tanto para capital de giro quanto para investimento.PROGRAMAO programa Revitaliza prevê um total de R$ 3 bilhões de financiamento com taxa de juros de 8,5% ao ano, prazo de reembolso de 36 meses e carência de 18 meses.Pelas regras do programa, as empresas adimplentes terão direito a um bônus de 20% dos juros devidos.Para garantir o subsídio nos empréstimos, bancado pelo Tesouro Nacional, o governo editou em julho uma medida provisória estabelecendo as linhas de financiamento, que foram regulamentadas pelo CMN.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.