CMN estimula participação de instituições em projeto social

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou um mecanismo que poderá aumentar o interesse das instituições integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) em participar do Programa de Incentivo à Implementação de Projetos de Interesse Social (PIPS) do governo federal. De acordo com a decisão, todas as quotas de Fundos de Investimento Imobiliário (FII) e de Investimento em Direitos Creditórios (FDIC) poderão ser computadas com peso 1,5 no cumprimento da regra sobre participação de financiamentos imobiliários nas carteiras das instituições. Pela regra atual, todas as instituições que trabalham com poupança no País são obrigadas a destinar 65% de seus depósitos em poupança para o financiamento habitacional. A medida aprovada pelo CMN significa, na prática, que cada R$ 1,00 de quota de FII e FDIC adquirido pelas instituições do SBPE representará R$ 1,5 para efeito de cálculo desta regra. "Essa é uma forma de estimular a participação das instituições do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo no Programa de Incentivo à Implementação de Projetos de Interesse Social", afirmou há pouco o diretor de Normas do Banco Central, Sérgio Darcy. Objetivos O Programa de Incentivo à Implementação de Projetos de Interesse Social foi instituído pelo governo federal com o objetivo de contribuir para a ampliação dos programas sociais colocados à disposição da população. Ele está voltado para a implementação de projetos na área de desenvolvimento urbano e infra-estrutura, por meio de fundos de investimento: o Fundo de Investimento Imobiliário (FII) e o Fundo de Investimento em Direitos Creditórios. A expectativa do governo é que o programa incremente os investimentos no setor de construção civil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.