Daniel Teixeira/ Estadão
Rivanildo Silva Santos, de 43 anos, acaba de ser contratado por uma rede de supermercados Daniel Teixeira/ Estadão

Salário inicial supera a inflação só em 8 de 140 profissões, diz estudo

Pandemia impulsiona ocupações a ter ganho na admissão; para médico clínico, alta real é de 40,8%, conforme a pesquisa

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2022 | 14h00

Poucas profissões têm conseguido ganhar da inflação de dois dígitos na hora da contratação com carteira de trabalho assinada. Apenas oito de um grupo de 140 ocupações tiveram valorização do salário médio de admissão dos últimos 12 meses até abril superior à inflação de 12,5%, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do IBGE. E a maioria dessas oito ocupações valorizadas na contratação por companhias do setor privado está ligada às demandas da população e das empresas que ganharam força com a pandemia.

 

O grande destaque desse ranking foi o médico clínico. Com salário médio de admissão em 12 meses até abril de R$ 10.502,03, esse profissional teve um ganho real (descontada a inflação) de 40,8% no período, aponta um levantamento feito com base nos dados oficiais do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho pelo economista-chefe da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Fabio Bentes.

Na vice-liderança vem o controlador de entrada e saída da produção da indústria, com alta de 9,8% no salário médio inicial; seguido pelo estoquista (7,7%), professor de nível superior na educação infantil (6,1%), programador de sistemas de informação (3,3%), professor de nível médio da educação infantil (2,1%), trabalhador volante na agricultura (2,1%) e comprador (0,1%). Esses ganhos se referem apenas ao salário médio de admissão e não significam que os profissionais que já estejam empregados no setor privado tenham tido o mesmo porcentual de reajuste no rendimento.

Para chegar a esses resultados, o economista escolheu 140 profissões com maior volume de contratações. Juntas, elas responderam no período por 72% da ocupação do mercado de trabalho formal.

Na média de todas as ocupações listadas no Caged – mais de 2,6 mil –, a perda real do salário médio de admissão em abril último foi 8,7% em relação ao mesmo mês de 2021. Isso revela o enfraquecimento dos rendimentos que tem predominado no mercado de trabalho, apesar da retomada da abertura de vagas.

 

“Tivemos a maior parte das profissões gerando vagas, mas do ponto de vista da remuneração de admissão, pouquíssimas estão conseguindo superar esse sarrafo da inflação que está na casa de 12%”, afirma Bentes.

No caso do médico clínico, o economista observa que o contexto da pandemia ampliou a demanda por serviços qualificados de saúde. E, mesmo com o avanço da inflação, esse movimento não arrefeceu. “Quem perde a renda gasta menos com lazer, mas dificilmente abre mão do serviço de saúde.”

O presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), Cesar Fernandes, diz que a pandemia trouxe a saúde para o centro da discussão do interesse público. Ele avalia esse aumento que houve nos salários de admissão, apontado pelo estudo, como uma recomposição de perdas salariais que vinham se acumulando ao longo do tempo. “Não acho que esse valor atual esteja elevado e acredito que ainda é preciso ser melhorado pela complexidade da função exercida.”

O diretor do Sindicato dos Médicos de São Paulo, Augusto Ribeiro, diz que a valorização dos profissionais faz sentido no contexto de pandemia e de atrair médicos para cidades do interior do País, onde faltam profissionais. “No entanto, tenho dúvidas se esse número reflete, de fato, a realidade dos médicos clínicos, porque só uma pequena parcela deles é celetista (trabalha com carteira assinada), a grande parte da categoria atua como pessoa jurídica.” De toda forma, com o arrefecimento da pandemia, por conta do avanço da vacinação, o diretor do sindicato não acredita que essa valorização real dos salários de admissão seja uma tendência.

Já o presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, Antonio Carlos Lopes, contesta os resultados e diz que eles não correspondem à realidade dos médicos clínicos. Segundo ele, os profissionais não tiveram ganhos acima da inflação. “O clínico é explorado e não ganha isso por mês de jeito nenhum, a menos que tenha vários empregos.”

Digitalização

A valorização acima da inflação do salário de admissão para sete das oito ocupações apontadas pelo estudo é reflexo da maior demanda pelas famílias e empresas que foi desencadeada pela pandemia. Com as crianças em casa por muito tempo, as famílias, por exemplo, viram a importância da escola e os professores da educação infantil ganharam relevância.

Além disso, a digitalização da economia provocada pela covid-19 acelerou a procura das empresas, que já era intensa, por profissionais de Tecnologia de Informação (TI). Por outro lado, o aumento desenfreado da inflação fez as companhias ficarem mais atentas aos custos, admitindo estoquistas, controladores de entrada e saída e compradores mais qualificados para tentar recompor, ainda que parcialmente, as margens de lucro comprimidas pela inflação.

“A única ocupação com valorização do salário inicial que fugiu dos efeitos da pandemia foi a de trabalhador na agricultura”, ressalva Bentes. Neste caso, ele acredita que o resultado reflita o bom desempenho que o agronegócio vem tendo.

Recrutamento

No último mês, a rede Hirota, do setor de supermercados, por exemplo, teve de desembolsar entre 20% e 30% a mais do que pretendia para contratar compradores. Celso Kayo, gerente geral comercial, diz que antigamente um comprador basicamente fazia compras. Mas com a digitalização do varejo acelerada pela pandemia, esse profissional passou a ter outras competências.

O comprador hoje precisa saber comprar para o comércio eletrônico, a loja do aplicativo, o mini-mercado, a loja Express, o supermercado, além de fazer a gestão de categorias de diferentes produtos. Isto é, tem que entender de tudo um pouco. “A gente dá mais atribuições ao comprador e, em troca, precisa beneficiá-lo com um salário melhor, senão não aparece ninguém com esse perfil”, explica Kayo.

Por conta dessas mudanças, também o recrutamento de profissionais para área de Tecnologia da Informação (TI), que já eram muito demandados antes da pandemia, se intensificou. Darcilia Feitosa Bezerra, coordenadora de recrutamento e seleção da agência de empregos Luandre, conta que o mercado anda bastante aquecido para os profissionais de TI. Eles são constantemente abordados por headhunters, porque as empresas têm investido em remuneração para atraí-los, explica.

“Atualmente os profissionais de TI podem se dar o direito de escolher onde trabalhar”, diz a executiva. Como TI virou pilar estratégico das companhias, a demanda por esses profissionais não está restrita a determinados segmentos, mas é generalizada por toda a economia, explica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Educação infantil passou a ter mais atenção depois do isolamento

Em três meses, auxiliar de coordenação em um colégio conseguiu ser promovida a professora de educação infantil

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2022 | 14h00

Num mercado com 11,3 milhões de desempregados e muito concorrido, há profissionais que estão conseguindo feitos extraordinários. A professora Sabrina de Moraes, de 36 anos, por exemplo, foi admitida e rapidamente promovida.

Em setembro do ano passado, começou a trabalhar como auxiliar de coordenação no Colégio Adventista em Diadema (SP). Três meses depois foi transferida para a outra unidade da escola, que fica em São Bernardo do Campo (SP), para ocupar o cargo de professora da educação infantil.

“Três meses é período de experiência, não é para receber promoção”, diz Sabrina, que ficou surpresa com a conquista tão rápida. Com a mudança de função, o salário subiu de R$ 1.800 para R$ 3.100, um aumento de 72%.

A professora diz que sentiu nos últimos meses uma movimentação no mercado de trabalho para os profissionais da área de educação. A prova disso é a sua promoção. A professora dona da vaga que ela foi ocupar acabou indo trabalhar em outra escola.

No início da pandemia, as aulas foram suspensas e as crianças ficaram em casa. Depois desse episódio, Sabrina acredita que houve uma valorização do trabalho dos professores da educação infantil. “Mas, mais no sentido da empatia do que em ganhos salariais”, frisa. Ela considera positiva a valorização real do salário médio inicial que ocorreu (entre 2% e 6% em 12 meses até abril). Porém, ela diz que o ganho não chegou perto do que a categoria merece e precisa. “É um desafio muito grande.”

A médica psiquiátrica Bárbara Sgavioli Massucato, de 34 anos,  foi outra profissional que rapidamente se empregou. Ela encerrou oficialmente o período de residência médica em 1º de março deste ano na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP) e seis dias depois começou a trabalhar no Hospital de Amor de Barretos (antigo Hospital do Câncer), na cidade onde se graduou em medicina. Por 40 horas semanais, recebe R$ 17 mil brutos, mas como pessoa jurídica.

“É o meu primeiro emprego”, diz ela, que conseguiu essa vaga porque ex-professores da graduação a convidaram para trabalhar no hospital. Mesmo antes de concluir o período de residência, Bárbara observou muitas ofertas de emprego na sua área de psiquiatria infantil, tanto no serviço público como na iniciativa privada em  cidades do interior do Estado de São Paulo. Com a pandemia, os encaminhamentos de pacientes na área de saúde mental aumentaram muito, explica a médica. Por isso, foi necessário ampliar o corpo clínico em atendimentos públicos e privados.

Além das compras

O comprador Rivanildo Silva Santos, de 43 anos, também sentiu a maior procura pela sua profissão. Com 17 anos de experiência no varejo e nos últimos cinco anos na função de comprador, ele acaba de ser contratado por uma rede de supermercados. “Vim ganhando 20% a mais do que no último emprego”, conta, sem revelar cifras.

Apesar de ter sentido uma demanda forte por compradores no mercado de trabalho, Santos não esperava essa valorização. Bacharel em Sistemas de Informação, ele atribui esse aumento salarial à função estratégica que o comprador ganhou dentro das empresas de varejo com acelerada digitalização. “Comprador vai muito além do que simplesmente comprar”.

Para desempenhar a função, segundo ele, é preciso conhecer o perfil do cliente do supermercado e só assim é possível fazer a gestão das compras. No momento, as exigências das redes varejistas para admitir alguém para a função são elevadas. “Dificilmente um profissional com um nível de conhecimento tão alto vai aceitar um salário que não condiz com essas exigências.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.