CND define cronograma para venda das ações do BB

O Conselho Nacional de Desestatização (CND) definiu hoje um cronograma preliminar para a venda ao público das ações que excedem o necessário para que o governo mantenha o controle do Banco do Brasil. Segundo o diretor de produtos estruturados do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Eduardo Gentil, na próxima semana o CND deverá ter uma nova reunião para definir o cronograma definitivo, estabelecendo as datas de publicação do edital da operação e do leilão de venda das ações de maneira pulverizada.Uma fonte que participou da reunião do CND disse que a oferta das ações só será realizada depois do segundo turno das eleições, para evitar a politização do assunto. Entretanto, o edital da operação, que ainda depende de uma avaliação jurídica, poderá ser lançado em meados da próxima semana, segundo a mesma fonte.A reunião do CND teve a participação dos ministros do Desenvolvimento, Sergio Amaral, e da Fazenda, Pedro Malan, e do secretário do Tesouro Nacional, Eduardo Guardia. O governo vai realizar a venda pulverizada de 17,7% das ações ordinárias (com direito a voto) do Banco do Brasil. Esse limite foi fixado na penúltima reunião do Conselho. Com a venda, o BB atingirá o critério de ter no mínimo 25% das ações ordinárias junto ao público, necessário para ingressar no chamado "Novo Mercado" de ações da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).O governo espera arrecadar R$ 1,4 bilhão com a venda, considerando uma cotação entre R$ 10 e R$ 11 por lote de mil ações. Serão vendidas 131,48 bilhões de ações. O CND limitou em R$ 500 milhões o valor de recursos do FGTS que poderá ser utilizado pelos trabalhadores na aquisição das ações do BB. Será concedido um desconto de 5% para aquisições feitas em dinheiro com pagamento à vista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.