Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

CNDL/SPC preveem pior Dia das Crianças para as vendas

As vendas para o Dia das Crianças de 2013 devem apresentar o pior desempenho dos últimos anos, com crescimento de 4% em relação a igual período do ano passado. A projeção é da Câmara Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). As altas, em períodos anteriores foram de 4,85%, em 2012; de 5,91%, em 2011; e de 8,50%, em 2010, sempre na comparação com o Dia das Crianças do ano imediatamente anterior.

AYR ALISKI, Agencia Estado

23 de setembro de 2013 | 14h21

A avaliação da CNDL e do SPC é de que a ascensão do dólar e a inflação em alta funcionarão como um freio sobre as vendas do comércio. A estimativa leva em consideração o resultado esperado para a semana que antecede o Dia das Crianças.

"Se nos anos anteriores a criança ganhou dois ou três brinquedos, neste ano a tendência é de que ganhe menos. Se os pais gastavam R$ 100 no presente do filho, talvez a solução deste ano seja optar por um brinquedo um pouco mais barato", disse o presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Junior.

Em nota, CNDL e SPC alertam para o fato de que no mês passado o dólar chegou a valer R$ 2,45. "Justamente no momento em que os varejistas do segmento infantil se preparavam para reforçar seus estoques de mercadorias", cita o texto.

Na avaliação do presidente da CNDL, o mix de produtos infantis vem se transformando e, além dos tradicionais brinquedos, produtos eletrônicos, como smartphones, notebooks e tablets estão hoje na lista de presentes. Como boa parte desses produtos é cotada em dólar ou tem componentes cotados na moeda estrangeira, os brinquedos neste ano devem pesar mais no bolso do consumidor. CNDL e SPC afirmam, ainda, que a inflação "persiste em ficar acima do centro da meta estipulada pelo governo", reduzindo o poder de compra dos brasileiros.

Tudo o que sabemos sobre:
Dia das CriançasCNDLSPC Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.