CNI alerta que juros já estão comprometendo investimentos

A política de juros altos adotada pela equipe econômica do governo, além de reduzir as vendas internas da indústria, está prejudicando a receita de exportações e pode comprometer novos investimentos industriais, mesmo para investidores que possam ter fontes de financiamento não afetadas diretamente pelos juros internos. A avaliação é feita pela equipe econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), coordenada por Flávio Castelo Branco. Ele observou que os juros altos atraem muito capital externo e isso deprecia a cotação do dólar frente ao real. O dólar é a moeda usada em grande parte dos contratos de exportação. Segundo castelo Branco, a baixa cotação do dólar já está afetando as exportações de setores como o calçadista e o têxtil. Essa valorização do real também está levando investidores da indústria de bens de consumo a suspender projetos de ampliação de produção, devido à baixa rentabilidade que essas unidades proporcionariam com a atual taxa de câmbio. Necessidade de investimento O economista Paulo Mol, da CNI, alerta que o uso da capacidade instalada da indústria está elevado e é necessário aumentar o investimento, mesmo diante da desaceleração da atividade industrial, verificada no primeiro trimestre do ano. Se isso não ocorrer, qualquer reaquecimento da economia acontecerá já com um base muito elevada de uso da capacidade. E para estimular o investimento, segundo ele, é necessária a redução dos juros, que estão afetando direta e indiretamente este investimento. A CNI divulgou hoje os indicadores industriais de março de 2005, os quais apontam arrefecimento da atividade neste início de ano, mas "com sinais dúbios" no mercado de trabalho, que mostram que esse desempenho ainda não afetou as perspectivas de crescimento para 2005. Veja mais informações no link abaixo.

Agencia Estado,

05 Maio 2005 | 12h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.