CNI aponta crescimento nas vendas da indústria em janeiro

As vendas reais da indústria cresceram 2,77% em janeiro na comparação com dezembro de 2003. Os dados são da Confederação Nacional da Indústria (CNI), que divulgou hoje os Indicadores Industriais de janeiro. O crescimento nas vendas reais, porém, foi com base no índice dessazonalizado. Sem a aplicação do deflator ? Índice de Preços no Atacado (IPA), da Fundação Getúlio Vargas (FGV) ?, as vendas reais tiveram queda de 3,08% em relação a dezembro. Segundo Renato Fonseca, da Unidade de Política Econômica da CNI, em termos não dessazonalizados a queda em relação a dezembro já era esperada. Na comparação com janeiro do ano passado, houve um aumento de 10,8%. Esta foi a sétima evolução mensal consecutiva, com um crescimento acumulado de 16,31%. De acordo com a CNI, as vendas reais foram impulsionadas principalmente pelo aumento das exportações. "A análise geral dos resultados da pesquisa mostra que a gente continua em um processo de retomada", avaliou Fonseca. Produção industrial A produção industrial está crescendo em ritmo menor do que as vendas, de acordo com os dados da CNI. A utilização da capacidade instalada permaneceu estável em 80,3%. Segundo Fonseca, essa diferença de ritmo é explicada pelo ajuste de estoques que a indústria vem fazendo. "Os índices de estoques ainda estão acima do desejado, por isso a indústria está usando as vendas para regular os estoques", afirmou. O nível de utilização da capacidade instalada em janeiro foi igual ao do mesmo período do ano passado, em termos dessazonalizados. Fonseca disse que a CNI acredita que nos próximos meses deverá existir um aumento de demanda e que, por isso, a produção industrial deverá ter um crescimento mais expressivo. Ele disse que em relação a 2003, os estoques estão agora próximo do nível desejado.

Agencia Estado,

11 Março 2004 | 13h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.