CNI critica conservadorismo e revisa projeções econômicas

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) avalia que o Banco Central (BC) tem sido muito conservador na condução da política monetária e cobra a retomada de queda dos juros para que a recuperação da indústria, e da economia como um todo, possa se sustentar, afirmou hoje economista da Unidade de Política Econômica da entidade, Renato Fonseca. Ele lembrou que uma retomada mais forte da economia depende do aumento do consumo das famílias, da melhora do consumo do governo e do crescimento dos investimentos privados. "O consumo das famílias é influenciado pelos juros, assim como os investimentos privados, que dependem das expectativas em relação à evolução da demanda e do custo e disponibilidade de crédito", explicou. Segundo ele, a interrupção da queda dos juros nas reuniões de janeiro e fevereiro do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC mudou as expectativas dos empresários. "Não vejo descontrole da inflação", disse, acrescentando que há condições para uma queda dos juros na reunião do Copom da próxima semana. Segundo ele, a meta de 5,5% de inflação para 2004 é rígida. Mudança nas perspectivas Fonseca disse também que, em virtude da interrupção da queda dos juros básicos, por parte do Banco Central, a CNI deverá revisar para baixo, no final deste mês, as projeções de PIB industrial e PIB geral feitas para este ano. "De três em três meses revemos nossas projeções. É provável que desta vez seja para baixo", continuou. No início de 2004, a entidade previu um crescimento de 4,5% para o conjunto da produção industrial neste ano na comparação com 2003. Para o PIB, a previsão era de crescimento de 3,5%.

Agencia Estado,

11 Março 2004 | 14h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.