CNI elogia política industrial, mas lista desafios

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro Neto, elogiou a elaboração da Política de Desenvolvimento Produtivo, lançada hoje pelo governo federal na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio. Segundo ele, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva trouxe o tema novamente para os holofotes. Entretanto, Neto fez questão de listar em seu discurso, o último antes da fala do presidente Lula no evento de lançamento do programa, os desafios que o governo vai enfrentar na implementação do projeto.O presidente da CNI foi enfático ao ressaltar que o Brasil precisa de um maior controle fiscal para que possa haver um abrandamento da política monetária e, com isso, evitar uma apreciação tão forte do real frente ao dólar como se viu nos últimos anos. Segundo ele, esse ponto prejudica as exportações.Outros desafios apontados por Neto são uma maior articulação entre as esferas do governo que coordenam o programa e a maior interlocução entre o setor privado e o público. Ele chegou a alfinetar o ministro do Desenvolvimento, Miguel Jorge, ao lembrar que há mais de 15 meses o Conselho Nacional de Desenvolvimento da Indústria (CNDI) não se reúne. O órgão é formado por representantes da iniciativa privada e do governo para criar políticas de crescimento do setor.Em seu discurso, Neto lembrou ainda a necessidade de uma reforma tributária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.