AFP
AFP

CNI pede adiamento de julgamento no STF sobre cigarro com aroma e sabor

A ação movida contra resolução da Anvisa, que proíbe a comercialização de cigarros que contêm aroma e sabor, foi feita pela própria entidade

Rafael Moraes Moura e Breno Pires, O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2017 | 16h15

BRASÍLIA - A Confederação Nacional da Indústria (CNI) pediu à presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, o adiamento do julgamento previsto para esta quinta-feira, 19, de uma ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pela própria entidade contra resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que proíbe a comercialização de cigarros que contêm aroma e sabor. O processo é de relatoria da ministra Rosa Weber.

O gabinete da presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, havia sinalizado que o primeiro processo chamado para julgamento na sessão seria o dos cigarros.

No entanto, em manifestação encaminhada ao STF às 22h20 da última quarta-feira, 18, a CNI ressaltou que o julgamento, se ocorresse nesta quinta-feira, não contaria com a participação de dois ministros: Dias Toffoli, que está de licença médica, e Luís Roberto Barroso, que teria sinalizado impedimento para discutir a matéria.

"Isso torna possível, qualquer que seja a maioria formada, contra ou a favor do pleito declaratório de inconstitucionalidade formulado pela confederação, que a ação venha a ser decidida por um placar que não alcance seis votos num sentido ou no outro", alegou a CNI.

Para declarar uma lei inconstitucional, são necessários os votos de seis ministros nesse sentido. Com apenas nove ministros presentes à sessão, havia o risco de o placar ser de 5 a 4.

"Outrossim, é bom que se enfatize, também na hipótese de a ação ser julgada improcedente, um eventual placar de 5x4 instauraria níveis elevados de insegurança jurídica, pois não haveria uma maioria absoluta formada na composição plenária a orientar a ação dos juízos inferiores, com efeito vinculante", destacou a CNI.

"Não bastasse isso, eventual hipótese de modulação, se julgada necessária, tornar-se-ia de muito difícil realização, já que, para tanto, seria necessário o voto de ao menos 8 ministros (nos termos do art. 27 da Lei 9.782/99)", completou a CNI. 

Após o pedido da CNI, Cármen decidiu mudar os planos e chamar primeiramente para julgamento uma outra ação, que questiona a Emenda Constitucional 86/2015 referente ao chamado orçamento impositivo para a saúde.

Depois das sustentações orais nesse caso, o STF suspendeu a discussão desse processo para iniciar um outro julgamento, que trata da restrição de homossexuais doarem sangue.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.