CNI prevê negociações salariais mais fáceis este ano

As negociações coletivas no primeiro semestre deste ano acontecerão em um ambiente econômico mais favorável que o do mesmo período do ano passado, segundo a avaliação feita no documento "Cenários, Negociações Coletivas", elaborado pelas unidades de Relações do Trabalho e de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgado hoje. A avaliação dos técnicos da entidade é que "as negociações coletivas na primeira metade de 2002 deverão ocorrer em ambiente de expansão econômica, por isso fundamentalmente diverso do ambiente de desaceleração do semestre anterior". O documento explica que a expansão se deve, no plano interno, ao fim do racionamento de energia, ao câmbio que recuou em novembro e dezembro e à trajetória de queda nos juros são fatores que devem contribuir para negociações mais favoráveis. No plano externo, a recuperação das principais economias do mundo, principalmente a norte-americana, e o fim da paridade dólar-peso na Argentina também devem impulsionar a atividade industrial no País, de acordo com a avaliação dos técnicos da CNI. "Como resultado da melhora do ambiente econômico, começam a ser percebidos sinais de recuperação da atividade", escrevem os técnicos. De acordo com o documento, houve um "vigoroso crescimento da confiança empresarial" no início deste ano, que deve ajudar nas negociações. O senão fica por conta da produtividade no trabalho, que em 2001 praticamente não cresceu, segundo a CNI. "Preocupa, porque é do aumento da produtividade que dependem, em última instância, a competitividade e o crescimento", diz o documento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.