CNI prevê que recuperação vai se manter ao longo do ano

O chefe do Departamento Econômico da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco, manifestou otimismo diante dos resultados dos indicadores industriais referentes a abril, divulgados hoje pela entidade empresarial (veja mais informações no link abaixo). "Pela trajetória de recuperação vista nos quatro primeiros meses do ano, é possível considerar que esse movimento irá se manter ao longo do ano", afirmou.Na avaliação do economista, três fatores contribuíram para a manutenção do crescimento das vendas reais da indústria em abril. "De um lado, está havendo a continuidade das vendas externas do País, que se refletem positivamente no mercado interno", destacou. Os outros dois motivos, segundo ele, são os reflexos da queda na taxa básica de juros, desde o fim do ano passado até agora, e a ligeira recuperação da massa salarial paga pela indústria no início deste ano.Revisão de investimentosCastelo Branco avaliou hoje que o indicador relativo à utilização da capacidade instalada pela indústria da transformação tem mostrado uma recuperação importante. Em abril do ano passado, por exemplo, o porcentual da utilização da capacidade instalada da indústria estava em 79,6%.As maiores ampliações de capacidade foram verificadas nas indústrias do Amazonas, Rio de Janeiro e Goiás. "Claro que ampliação de investimentos é uma decisão complexa, mas em relação a alguns segmentos, a retomada da economia e da massa salarial indicam manutenção da capacidade de consumo", afirmou o economista.Mercado de trabalhoEm relação ao mercado de trabalho, os indicadores também apresentaram estabilidade ou ligeira melhora. As horas trabalhadas na produção, por exemplo, apresentaram um pequeno crescimento, de 0,64% em abril em relação ao mês anterior, sendo que foi o quarto mês consecutivo de variação positiva. Em comparação a abril de 2003, houve um aumento de 3,07% nesse indicador.Na questão da massa real de salários, segundo a pesquisa da CNI, houve uma pequena queda, de 0,02%, nos salários pagos pela indústria em abril em relação a março. Mas esse movimento foi apontado como estabilidade, já que, se comparados os últimos doze meses encerrados em abril, a massa salarial ampliou-se em 8,51%. Para o economista, essa recuperação está relacionada à redução da inflação nesse período.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.