CNI prevê retração de 2,6% do PIB em 2016, com queda de 4,5% da atividade industrial

Para a entidade, o clima de instabilidade política faz adiar as medidas necessárias para recuperar a confiança dos agentes econômicos

Sandra Manfrini, O Estado de S. Paulo

16 Dezembro 2015 | 14h49

Texto atualizado às 16h38

BRASÍLIA - A recessão da economia brasileira vai continuar no próximo ano e a indústria brasileira terá uma retração de 4,5% em 2016. As estimativas estão no Informe Conjuntural - Economia Brasileira, divulgado nesta quarta-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Segundo as projeções da CNI, o PIB do ano que vem terá uma queda de 2,6%, puxado especialmente pela queda na atividade industrial.

"Pouco se avançou para a construção de um ajuste fiscal crível e permanente, aliado a mudanças estruturais capazes de impulsionar a recuperação da atividade econômica. Por isso, o cenário para 2016 não é diferente do observado em 2015", diz o estudo da CNI.

A entidade avalia ainda que o clima de instabilidade política no País adiará as medidas necessárias para recuperação da confiança dos agentes econômicos. Esse cenário conturbado, de acordo com a CNI, deverá ainda marcar os primeiros meses de 2016, "indicando que a travessia em direção à recuperação econômica deverá ser mais difícil e demorada". 

A CNI estima que o País fechará este ano com uma inflação de 10,5%. "Há dois fatos preocupantes sobre a economia brasileira em 2015. O primeiro é que os principais componentes do PIB pelo lado da demanda (consumo das famílias) e pelo lado da oferta (serviços) irão diminuir em 2015, o que não acontecia há mais de uma década. O segundo é o fato dos investimentos caírem pelo segundo ano consecutivo em magnitude superior a 10%", destaca o documento. 

Para este ano, a projeção da CNI é de uma queda de 3,3% do PIB, com uma retração de 6,4% do PIB industrial. O consumo das famílias deve encolher 3,9%, segundo a Sondagem, os investimentos terão queda de 15,5% e a taxa de desemprego deve chegar a 8,3% da População Economicamente Ativa (PEA). "Os números efetivos do ano podem ser ainda mais negativos, com o impacto dos acontecimentos recentes", pondera a CNI. 

O estudo aponta ainda que este ano foi especialmente negativo para a indústria. As estimativas são de que a participação do setor no PIB do País cairá para menos de 20%, a menor desde os anos 50. 

Cenários. A CNI traçou dois cenários de médio prazo para o Brasil. Num primeiro, se o País prosseguir com as mudanças em andamento, aprofundar o ajuste das contas públicas e avançar na agenda de reformas estruturais, a entidade prevê que a economia gradualmente recomponha a confiança e eleve sua competitividade. Assim, seria possível vislumbrar um novo ciclo de crescimento a partir de 2017.

No segundo cenário, no qual o País continuaria com dificuldade para definir e mudar o atual regime fiscal e tributário e de avançar na agenda de competitividade, as incertezas e falta de confiança continuariam e a economia enfrentaria um longo período de estagnação. 

A avaliação da CNI é de que a economia só voltará a crescer se o País adotar uma agenda baseada em três eixos: medidas de estabilidade macroeconômica, ajuste fiscal de longo prazo e melhoria do ambiente de negócios e da segurança jurídica.

Exportações. A queda na demanda doméstica e a desvalorização do real têm estimulado empresários a investirem nas vendas externas, segundo Sondagem Especial Comércio Exterior, divulgada hoje pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A pesquisa aponta que 57% das indústrias que exportaram no último ano pretendem elevar as vendas externas nos próximos 12 meses. Entre as que pretendem exportar, 42% acreditam que as exportações vão aumentar a participação em seu faturamento bruto; outras 45% esperam estabilidade e 12%, queda. 

"Em um cenário de queda na demanda doméstica, o aumento das exportações é uma saída para as empresas. É preciso mobilizar todos os instrumentos que facilitem esse processo, do combate à burocracia à eliminação do viés anti exportação das políticas domésticas. As empresas precisam de um ambiente mais favorável e que priorize uma atividade com tamanho potencial de gerar empregos", afirma o diretor de Políticas e Estratégia da CNI, José Augusto Fernandes, em nota divulgada pela entidade.

A Sondagem da CNI ouviu 2.344 empresas de 28 setores da indústria de transformação e de quatro da indústria extrativa, entre os dias 1º e 13 de julho. Entre os entrevistados, 28% afirmaram que exportaram nos últimos 12 meses. Outros 48% não exportaram e 23% não quiseram ou não souberam responder. Do total, 35% tomaram alguma medida parra aumentar as exportações ou começar a exportar. Esse porcentual sobe para 83% entre as empresas já exportadoras. De acordo com 53% dos entrevistados, a principal motivação das empresas para iniciar ou aumentar as exportações foi a busca de novos mercados. 

Mais conteúdo sobre:
CNIPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.