CNI reduz a 4,7% projeção de crescimento do PIB em 2008

A Confederação Nacional da Indústriareduziu para 4,7 por cento a projeção para o crescimento daeconomia em 2008 por conta das medidas contracionistas adotadaspelo governo para conter a inflação. O prognóstico anterior da entidade, feito em março, era deque o Produto Interno Bruto cresceria 5 por cento este ano. "Os números da economia ainda mostram forte trajetória deexpansão devido às forças inerciais do crescimento,principalmente originadas da demanda doméstica", afirmou a CNIem informe divulgado nesta quarta-feira. "Todavia, as medidas de política econômica voltadas àcontenção da pressão inflacionária --em especial a retomada deuma política monetária restritiva-- irão conduzir àdesaceleração da economia." O Banco Central elevou a taxa básica de juros em um pontopercentual desde abril, para 12,25 por cento, e já anunciou quefará o que for necessário, durante o tempo necessário, paraconter a inflação. A CNI prevê que a taxa Selic fechará o ano em 14,25 porcento. Para a CNI, o impacto do aperto monetário sobre a atividadeeconômica se dará principalmente na segunda metade do ano,particularmente no quarto trimestre. Mas o aumento dos juros, aliado aos efeitos dos aumentos depreços sobre a renda da população, já provocou umadesaceleração da atividade industrial. A produção da indústria, segundo a entidade, cresceu emmédia 0,1 por cento nos meses de abril e maio frente a taxas decrescimento de 1,5 por cento ao londo de 2007. A projeção da CNI para o crescimento do PIB industrial noano, contudo, foi mantida inalterada em 5 por cento. (Reportagem de Isabel Versiani)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.