Francisco Lima/ASCOM TJPE–6/9/2017
Francisco Lima/ASCOM TJPE–6/9/2017

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

CNJ cobra explicações formais sobre vale-refeição de juízes do TJ-PE, o mais alto do País

Benefício chegou a R$ 4,7 mil; prazo para resposta é de 10 dias

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2019 | 21h47

BRASÍLIA - A Corregedoria Nacional de Justiça (CNJ) decidiu apurar possíveis irregularidades na concessão de vale-refeição a juízes. A iniciativa surge após reportagem do Estadão/Broadcast revelar que magistrados de 24 tribunais de Justiça recebem valores superiores a R$ 1 mil por mês. O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, cobrou explicações formais sobre pagamentos feitos no Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE), onde o benefício chegou a R$ 4,7 mil, o mais alto do País.

Martins determinou a instauração de um "pedido de providências", encaminhado à presidência do TJ-PE, com solicitação de explicações acerca dos pagamentos revelados pela reportagem, informou em nota o CNJ. O prazo para resposta é de 10 dias.

“A notícia traz fatos que merecem ser analisados pela Corregedoria Nacional de Justiça, a fim de se apurar a eventual irregularidade de pagamento de verbas a magistrados”, afirmou o ministro, em nota divulgada pelo CNJ.

A quantia paga em Pernambuco equivale a 4,8 vezes o salário mínimo vigente no País em 2019 (R$ 998) e a mais que o dobro da renda média mensal dos trabalhadores brasileiros, que é de R$ 2.317 mensais.

Atualmente, o valor pago título de alimentação aos magistrados federais é de R$ 910 por mês, cinco vezes menos do que o recebido pelos pernambucanos. Só três Estados seguem o padrão do Judiciário Federal: Maranhão, Paraná e Rio Grande do Sul.  

O salário médio dos magistrados estaduais é de R$ 43.437, bem acima do teto de R$ 35.462, e o auxílio-alimentação é justamente um dos motivos que explica essa diferença. O "vale-refeição" dos magistrados é um dos benefícios acumulados e não sujeitos ao abatimento, a exemplo do auxílio-moradia. Esses "penduricalhos" fazem com que os vencimentos no Poder Judiciário superem o teto constitucional.

Embora previstos em lei, os auxílios têm valor estabelecido pelos próprios tribunais estaduais. O orçamento dessas cortes não pode ser bloqueado ou cortado pelos governos estaduais, para não haver interferência entre os poderes. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.