CNPE autoriza leilão da hidrelétrica de Belo Monte

O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou hoje a realização, neste ano, do leilão de concessão da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu (PA). "Aprovamos uma resolução autorizando o leilão de Belo Monte neste ano", disse o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, ao final da reunião. O presidente da Eletrobrás, José Antonio Muniz Lopes, que também participou do encontro, afirmou que o valor total necessário para construir a usina pode ser maior que o previsto no Programa de Aceleração de Crescimento (PAC). No programa, a estimativa é de que a usina, de 11,3 mil megawatts (MW), custaria cerca de R$ 7,5 bilhões. "Uma boa usina costuma custar US$ 1 mil por quilowatt instalado", disse Muniz. Nessa conta, feita pelo presidente da Eletrobrás, a obra de Belo Monte deverá custar, pelo menos, US$ 11 bilhões.

LEONARDO GOY, Agencia Estado

23 de junho de 2009 | 17h35

Na reunião de hoje do CNPE, Lobão também fez um relato aos participantes sobre a obra da usina nuclear de Angra 3, no Rio de Janeiro. O ministro lembrou que o Ibama já liberou a licença de instalação da usina, mas ainda há duas pendências para a obra. Uma delas é a emissão da licença ambiental da prefeitura de Angra. "Esse documento deve sair em 10 a 15 dias", previu Lobão. A outra pendência é uma posição definitiva do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre a validade do contrato que já estava assinado com a Andrade Gutierrez para construir a usina. "O TCU já fez duas manifestações favoráveis à manutenção do contrato e agora vai tomar uma decisão definitiva", disse. Segundo ele, o relatório que deverá ser votado pelos ministros do TCU é favorável à manutenção e aponta, inclusive, maneira de reduzir o custo da obra em R$ 78 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
hidrelétricaBelo MonteCNPE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.