Coalizão pró-etanol reúne-se na sexta-feira

Secretários dos 19 Estados brasileiros produtores de cana-de-açúcar e representantes do setor sucroalcooleiro irão se reunir nesta sexta-feira, em São Paulo (SP), para definir a pauta de trabalho e as prioridades defendidas pela coalizão pró-etanol, anunciada no último dia 24 de setembro, em Curitiba (PR). A articulação visa a basicamente o fomento institucional e a abertura de mercados externos para o álcool combustível nacional. Segundo o secretário da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Antônio Duarte Nogueira Júnior, a pauta que saiu da reunião de sexta-feira será apresentada no próximo dia 23, às 14 horas, no Palácio dos Bandeirantes, por governadores dos Estados que formam o grupo. "Em princípio, o foco será o fortalecimento do etanol como alternativa energética para o Brasil e para o exterior. O combustível representa 16% da matriz energética brasileira e tem um potencial muito grande para ser exportado", disse Nogueira. Na safra passada, o Brasil exportou apenas 630 milhões de litros de etanol e nesta safra o volume pode chegar a 790 milhões de litros, graças ao aumento das exportações de álcool hidratado para o Caribe, que o desidrata e envia sem impostos para os Estados Unidos. Esse volume é pequeno se comparado à produção total do país, de cerca de 13 bilhões de litros, e à demanda dos novos mercados. O Japão, por exemplo, precisaria importar um volume de 6 bilhões de litros/ano caso adotasse uma mistura de 10% do combustível à gasolina dos seus veículos. Além da exportação, os estados tentam resolver o problema da evasão fiscal, principalmente com o ICMS, com alíquotas que variam de 7% a 31% entre eles. "Nós estamos tentando cruzar os dados dos estados para coibir a sonegação", completou Nogueira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.