Cobre cai na Comex com preocupação com China e queda do euro

Cobre para maio caía 1,93% para US$ 3,4600 por libra peso na Comex eletrônica

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

27 de abril de 2010 | 09h30

Os metais básicos operam em baixa nesta terça-feira, com a pressão sobre o euro e sobre a bolsa chinesa na madrugada provocando vendas nos mercados futuros. As Bolsas da China caíram ao menor nível em sete meses, com preocupações de que as recentes medidas para esfriar o mercado imobiliário possam afetar outros setores da economia.

 

Às 9h30 (de Brasília), o cobre para maio caía 1,93% para US$ 3,4600 por libra peso na Comex eletrônica.

 

Na London Metal Exchange, os volumes negociados mais cedo eram modestos, com investidores incertos sobre como os preços dos metais irão reagir às medidas de aperto na China e à relutância da Alemanha em conceder total suporte à Grécia.

 

Trazendo certa sustentação aos preços está a contínua desaceleração dos estoques na LME, incluindo de cobre, níquel, zinco, alumínio e estanho. Os estoques de cobre estão em seu menor nível desde o início de janeiro e os de níquel, desde dezembro.

 

O declínio nos estoques de alumínio são contrabalançados pelo crescimento das expectativas de superávit de oferta este ano e retomada da produção em usinas interrompidas com o agravamento da crise financeira. A Norsk Hydro estimou nesta terça-feira que mais de três milhões de toneladas da capacidade de processamento de alumínio suspensas ao final de 2008 e em 2009 será retomada. A Hydro também prevê superávit no mercado este ano e que os estoques detidos por investidores financeiros fora das bolsas continuaram subindo no primeiro

trimestre.

 

Mais cedo, o alumínio foi negociado em queda de US$ 29,00 a US$ 2.287,00 a tonelada na LME. O cobre caía US$ 131,00 para US$ 7.679,00 a tonelada. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaiscobrelme

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.