Cobre fecha em queda com China e BCE

A incerteza sobre se as autoridades monetárias em todo o mundo irão adotar medidas de estímulo à economia provocou a queda do cobre ontem. Na China, os preços médios das residências subiram pelo segundo mês consecutivo em julho, o que deve limitar a disposição de Pequim em alimentar o risco de inflação com mais medidas de relaxamento monetário. Além disso, o Banco Central Europeu negou um plano para estabelecer um limite aos juros de bônus de países endividados do bloco. O cobre caiu 1,1% e fechou a US$ 7.455,00 a tonelada em Londres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.