Coca-Cola pede desculpas por chamar consumidor de retardado

Empresa imprimiu tampas promocionais com erro de redação no Canadá e provocou revolta

Economia & Negócios,

20 de setembro de 2013 | 12h11

SÃO PAULO - Uma canadense abriu sua garrafa de água vitaminada Vtaminwater, produzida pela Coca-Cola, e encontrou as palavras em inglês "You retard" (seu retardado).

Chocada, a consumidora mandou uma carta para a empresa dizendo que, além do insulto, há em sua família uma garota com autismo e problemas cerebrais. "E se ela abrisse?", perguntou a consumidora Blake Loates à gigante de bebidas.

Representantes da Coca-Cola se desculparam com a família de Blake explicando que, por um problema, a mensagem saiu metade em inglês e metade em francês. A era para ser usada apenas no Canadá, onde se fala os dois idiomas.

A ideia era dizer ao consumidor "você está atrasado"  (retard, em francês, significa atraso). Saiu "você é retardado".

Mensagem promocional saiu metade em inglês e metade em francês: atrasado virou retardado (reprodução: Facebook)

A consumidora que mora em Edmonton, em Alberta, no Canadá, contou à reportagem da rede ABC News que ficou chocada quando ela abriu a bebida e leu a mensagem ofensiva.

O marido de Blate, Doug Loates, jurou em sua carta que não comparia mais nenhum produto da empresa. O caso ganhou repercussão na imprensa e foi tema de várias reportagens.

Erro de revisão. "Pedimos nossas sinceras desculpas à família", disse Shannon Denny, diretor de comunicação de marca da Coca-Cola no Canadá."Nunca foi nossa intenção ofender ninguém com esta promoção", disse Denny

A empresa cancelou a promoção e não vai mais usar as tampas impressas com erro. "Isso foi um erro durante o processo de revisão e estamos tomando providências para investigar e corrigir a situação. Esperamos que os nossos consumidores podem aceitar nossas desculpas profundas", diz um post da empresa na página do Vitaminwater no Facebook.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Coca Coladireito do consumidor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.