finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Coca-Cola vende unidade em Minas

Engarrafadora Remil passa para o controle da Femsa em negócio estimado em US$ 380 milhões

Agências Internacionais, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2028 | 00h00

A fabricante de bebidas americana Coca-Cola acertou a venda da engarrafadora Remil, que atua em Minas Gerais, para a mexicana Coca-Cola Femsa - a terceira maior engarrafadora da Coca-Cola no mundo. Segundo a Femsa, o negócio está avaliado em cerca de US$ 380 milhões e deve ser concluído no primeiro trimestre de 2008.Essa é a primeira venda realizada pela Coca-Cola desde o ano passado, quando o presidente-executivo da empresa, Neville Isdell, resolveu consolidar todas as operações próprias de engarrafamento no mundo sob o comando de um só executivo - o vice-presidente Irial Finan -, que assumiu com o compromisso de melhorar as operações e elevar as vendas."Nós gerenciamos todas as nossas operações pensando no longo prazo", disse Finan em um comunicado distribuído ontem aos empregados da Coca-Cola. "Mas nosso objetivo é vender essas operações quando temos um negócio local vibrante e bem administrado, e quando a companhia que compra está alinhada com nossa estratégia de longo prazo, tem boa capacidade financeira e demonstra competência gerencial. Tanto a Remil quanto a Coca-Cola Femsa preenchem esses requisitos."A Coca-Cola comprou a Remil de um grupo de investidores brasileiros em 2000. A empresa conta com uma unidade de engarrafamento em Belo Horizonte e com diversos centros de distribuição em todo o Estado de Minas Gerais. De acordo com a Femsa, a expectativa é que a Remil apresente este ano uma geração de caixa (Ebitda) de US$ 45 milhões.A maior parte da distribuição da Coca-Cola no mundo é feita por empresas independentes. A Coca vende os xaropes e os concentrados para essas engarrafadoras, que produzem e distribuem as bebidas.Segundo o presidente da Coca-Cola Femsa, Hector Trevino, o acordo para a compra da Remil está em linha com a estratégia do grupo de "expandir a presença na América Latina".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.