coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Codefat aprova ajuda de R$ 200 mil a setor de veículos usados

Recursos serão ofertados para capital de giro de agências de carros usados, com juro de 1,4% ao mês

Gerusa Marques, da Agência Estado,

11 de fevereiro de 2009 | 13h45

O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) aprovou nesta quarta-feira, 11, uma linha de crédito de R$ 200 milhões para o capital de giro de agências de carros usados. Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise   Segundo o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, foi negociado com o Banco do Brasil um financiamento com juros de TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo), mais 11,206% ao ano, o que dará uma taxa ao mês de 1,4%. Atualmente, segundo o ministro, a taxa de juros é TJLP mais 24% ao ano. "Eu queria um juro menor, mas por enquanto não foi possível", disse Lupi, que defendia a cobrança de TJLP mais 8% ao ano. O ministro destacou que essa é uma linha de crédito inicial e que o governo deve avaliar futuramente o comportamento do mercado para possíveis revisões. A medida, segundo Lupi, deve beneficiar o mercado de 46 mil revendedoras, que geram 600 mil empregos diretos e indiretos. Ele disse que na próxima semana deve assinar com os empregadores do setor um acordo de garantia de postos de trabalho. O setor de revenda de carros, segundo Lupi, foi o que sofreu o maior impacto da crise financeira internacional. Regras De acordo com resolução do Codefat, aprovada hoje, a medida deve atingir micro e pequenas empresas, que tem faturamento bruto anual de R$ 5 milhões e médias empresas, com faturamento bruto anual de 60 milhões. O teto do financiamento é de até 200 mil por empresa e os recursos poderão ser liberados de uma só vez ou em parcelas, mas está vedado o uso de crédito rotativo. O prazo de financiamento será de 24 meses, incluídos até 5 meses de carência. Estão impedidas de receber o financiamento empresas que estiverem inadimplentes com qualquer órgão da administração pública federal, especialmente com o FGTS e com o INSS.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.