Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Codefat nega aumento do seguro para desemprego

O Fundo de Amparo ao Trabalho (FAT) não terá condições de bancar a ampliação do número de parcelas do seguro-desemprego, como querem as centrais sindicais, para compensar o eventual aumento das demissões no mercado de trabalho no próximo ano, em decorrência da crise financeira. A afirmação foi feita ontem pelo presidente do Conselho Deliberativo do FAT (Codefat), Luiz Fernando Emediato, em audiência pública na Comissão do Trabalho da Câmara.?A proposta das centrais é legítima, mas, se simplesmente aumentarmos o número de parcelas, o FAT acaba?, afirmou Emediato. A sugestão dos sindicalistas, feita ao governo esta semana, é que possam ser pagas até dez parcelas do seguro-desemprego aos trabalhadores demitidos sem justa causa. Hoje, são pagas de três a cinco parcelas, dependendo da faixa salarial do trabalhador e do setor em que ele estava empregado.Essa medida, na visão das centrais, ajudaria a amenizar os reflexos negativos que um grande número de demissões causaria na economia e na renda dos trabalhadores. ?A questão, no entanto, é muito complexa porque o cobertor é curto?, afirmou Emediato, que representa a Força Sindical no Conselho Deliberativo do FAT (Codefat) e, no ano passado, assumiu a presidência do conselho. Ele afirmou que o FAT está ?minguando? nos últimos anos e caminha para um déficit operacional em suas contas a partir de 2011, se nada for feito para mudar a sua forma de gestão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.