Código esclarece serviços bancários

Muitos clientes de bancos já se viram às voltas com tarifas indevidas, taxas de administração desconhecidas e cheques devolvidos injustamente. As reclamações feitas contra instituições bancárias estão em terceiro lugar no ranking de denúncias recebidas pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec). No primeiro semestre desse ano, o instituto recebeu um total de 713 reclamações referentes ao serviço bancário. Nesse número estão incluídos apenas problemas relacionados ao correntista, como cobranças erradas, mau atendimento e tarifas abusivas - não são computadas reclamações sobre cartões de crédito ou seguros. No ano passado, foram registradas 622 queixas num período de doze meses.Se for cumprido, o Código de Defesa dos Clientes de Instituições Financeiras proposto pelo Banco Central (BC) ajudará a diminuir o quantidade de problemas entre clientes e bancos. Veja alguns dos itens que constam no edital publicado no site do Banco Central (veja link abaixo):- Clareza na redação dos contratos, que deverão facilitar a visualização dos direitos, obrigações, prazos, valores, taxas de juros, mora e administração, multas e demais condições contratuais;- Garantia de atendimento ao público pelos meios convencionais, inclusive guichês de caixas, mesmo na hipótese de atendimento alternativo ou eletrônico;- Proibição da transferência automática de recursos de depósitos à vista e de poupança para qualquer modalidade de investimento sem a prévia e expressa autorização do cliente;- Igualdade no tratamento aos deficientes físicos e aos idosos com relação aos níveis de exigências requeridos;- Padronização da terminologia referente a serviços e tarifas para facilitar a identificação e o entendimento inequívoco das operações realizadas;- Manutenção de uma mesma tarifa em todo o território nacional quando se tratar de um mesmo produto ou serviço.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.