Colômbia quer fechar negócio com ações da Starbucks em 2009

A Colômbia espera se juntar a outras nações produtoras de café no começo do próximo ano para comprar uma fatia considerável da rede norte-americana Starbucks. Produtores do Brasil e da América Central já demonstraram interesse em um possível acordo, disse à Reuters um diretor da Federação de Cafeicultores da Colômbia. A Colômbia, terceiro maior produtor mundial de café, mantém conversas com bancos de investimento há cerca de 1 ano sobre a possibilidade de compra de ações da gigante norte-americana, o que daria aos produtores mais voz no mercado, afirmou Gabriel Silva. Afetada pela crise econômica global e pela desaceleração do consumo nos EUA, a Starbucks recentemente anunciou que fechará 600 lojas e deverá dobrar os cortes nos custos devido à queda das vendas. "Há uma oportunidade que a crise nos oferece; o valor das ações da Starbucks está em um dos menores níveis da história", declarou Silva em uma entrevista na noite de segunda-feira. "Nós queremos ter uma posição de influência...uma voz suficientemente forte para conseguir contribuir com o desenvolvimento da companhia". Silva disse ainda que espera que o acordo possa ser fechado até o primeiro trimestre do próximo ano e já recebeu ofertas de alianças com atuais investidores. No entanto, ele afirmou que o negócio não seria uma oferta hostil e que não ambicionava ter uma posição majoritária na empresa. "A Starbucks não tem outro comentário oficial a não ser que apreciamos as alianças que temos com produtores de café em todo lugar onde compramos o grão --incluindo aqueles da Colômbia", informou um porta-voz na semana passada com relação aos recentes comentários de Silva acerca de um possível acordo. (Por Patrick Markey)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.