finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Colunista do FT alerta para risco de 'crise subprime' no Brasil

Para diretor de corretora, endividamento de consumidores a altas taxas de juros tem atingido patamares preocupantes.

BBC Brasil, BBC

22 de fevereiro de 2011 | 10h02

Consumidores brasileiros se endividam a altas taxas de juros

Um colunista do jornal britânico "Financial Times" alertou nesta terça-feira que o Brasil corre o risco de estar diante de uma "crise subprime" no seu aquecido setor de crédito ao consumidor.

O artigo da coluna Insight, assinado pelo diretor da corretora de fundos de hedge Marshall Wace, Paul Marshall, traça paralelos entre a situação econômica atualmente vivida pelo Brasil e a economia americana às vésperas da crise em seu setor de crédito imobiliário, que deu início à crise mundial.

Para o colunista, o Brasil tem vivido uma "farra do crédito": os empréstimos cresceram 2,4 vezes mais que o PIB nos últimos cinco anos, comparado com uma relação semelhante de duas vezes na Rússia, 1,6 na Índia e 1,2 na China.

Isto em si não é um grande problema, já que o país parte de um patamar baixo, escreve o colunista. Segundo Marshall, os empréstimos correspondem a "apenas" 46% do PIB, contra 165% nos Estados Unidos.

"O problema é o fardo que esta dívida impõe sobre os consumidores", argumenta Marshall. Com uma taxa de juros alta, o consumidor brasileiro paga, em termos reais, taxas de cerca de 20% a 25%, ele cita. "Tomar empréstimos no Brasil tem custos punitivos."

Os pagamentos de dívida honrados pelos consumidores brasileiros equivalem hoje a cerca de 24% de sua renda, comparado com um nível de 14% nos Estados Unidos quando a crise subprime estourou.

"A situação no Brasil é preocupantemente similar à da crise subprime dos Estados Unidos. Os bancos estão empurrando muito crédito a altas taxas para consumidores que, no fim, não serão capazes de honrar a dívida", escreve o analista.

Para Marshall, o alerta de uma possível crise no setor de crédito do Brasil foi dado pelas complicações envolvendo o banco PanAmericano, que teve de ser resgatado.

Em termos legislação, o país ainda precisa de mecanismos eficientes de controle de crédito, e os bancos ainda operam a altos custos, afirma o analista.

Além disso, o momento atual é desvantajoso para o Brasil porque a recuperação econômica de outros países pode levar a um aumento geral das taxas de juros para controlar pressões inflacionárias.

Para Paul Marshall, embora tenha sido recompensado pelo mercado por suas políticas recentes, o país precisará de mais gerenciamento "habilidoso" para "desinflar a atual bolha de crédito sem perder o controle". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.