FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Com 5º dia de greve, postos em SP ficam sem combustível

Postos estão sem etanol e gasolina na capital; diesel deve ser o último a acabar, segundo o Sincopetro

O Estado de S.Paulo

25 Maio 2018 | 10h27

No estado de São Paulo, com o quinto dia de greve dos caminhoneiros, já falta o combustível em postos de diversas cidades. Na capital, sem receber combustível desde terça-feira, 22, os postos estão 100% sem gasolina e etanol, segundo o Sindicato do Comércio de Derivados de Petróleo de São Paulo (Sincopetro). Em Jundiaí há combustível apenas em cinco estabelecimentos. A maioria dos postos de Campinas também já estava sem combustível na manhã desta sexta-feira, 25. Todos os postos de combustível de Sorocaba também estão fechados ou com aviso de que só têm diesel.

+ Pelo 2º dia consecutivo, Prefeitura autoriza 40% da frota de ônibus no horário de entrepico

O Sincopetro havia alertado ontem que o combustível corria o risco de acabar na cidade. Segundo o presidente da instituição, José Alberto Paiva Gouveia, mesmo com o acordo feito entre representantes da categoria e o governo, os caminhões continuam parados e os postos sem abastecimento desde terça-feira, 22. Gouveia informou que pediu uma trégua à Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), mas não teve resposta. Ao todo, o Estado tem 8,7 mil pontos de venda de combustível.  

+ Como gerenciar a crise de abastecimento dentro de casa

De acordo com o representante, com a corrida dos consumidores aos postos, muitos estabelecimentos estão fechados desde ontem. "Etanol e gasolina você não encontra na capital, 100% dos postos estão sem. Só encontra gasolinas especiais ou aditivadas. No interior, alguns postos conseguem pegar combustível direto na usina, mas são poucos", acrescentou. Diesel deve ser o último a se esgotar, de acordo com Gouveia.

+ Cidades do interior de SP decretam emergência e suspendem serviços

De acordo com o procurador-geral do município de São Lourenço da Serra, Edgar Hualker Dias, os bloqueios nas rodovias resultaram em desabastecimento geral na cidade, onde todos os postos também já estão sem combustível. Jundiaí e Campinas também estão sem abastecimento. 

A comerciária Maria Gorete Bastos, de 34 anos, deixou o carro na rua depois que o combustível acabou, na manhã desta sexta-feira (25), em Sorocaba, interior de São Paulo. Ela trabalha como caixa numa rede de supermercados e, como faz diariamente, seguiu com o carro de Alumínio, cidade próxima, para o trabalho na zona leste de Sorocaba. “Saí mais cedo e passei em quatro postos no caminho e só um tinha combustível, mas a fila era de três horas. Resolvi seguir em frente e me dei mal”, disse. Com a ajuda de pedestres, ela empurrou o carro até o recuo de uma loja e seguiu a pé para o trabalho. “Estou atrasada e mais tarde dou um jeito”, disse, aflita.

Pelo País. Taxistas de Varginha, no Sul de Minas Gerais, apelaram ao álcool etílico hidratado, vendido em supermercados e de uso doméstico, para abastecer seus veículos. "A gente precisa trabalhar e na hora do aperto foi o jeito que alguns encontraram para não ficar parado", contou um motorista com ponto na rodoviária da cidade.

O Sindicato Varejista de Combustíveis e Lubrificantes e de Lojas de Conveniência do Município do Rio de Janeiro (Sindcomb), que representa os postos de combustíveis da cidade, avaliou que a situação do município esta manhã é pior do que a de ontem, com menos postos abastecidos para atender o consumidor.

Segundo a assessoria do Sindcomb, os postos com frota própria de caminhões tentaram comprar combustíveis na madrugada de ontem nas refinarias da Petrobras, Shell e Ipiranga, mas foram impedidos pelo bloqueio de outros caminhoneiros. Alguns permanecem na porta das refinarias à espera de uma solução para o problema, informou a assessoria do sindicato.

A situação, de acordo com representantes, está cada vez pior e mesmo se o abastecimento nas refinarias for normalizado hoje levará entre 3 e 4 dias para que todos os 830 postos da cidade recebam os produtos.

O desabastecimento nos postos de combustíveis já atinge cerca de 70% dos 185 municípios pernambucanos.  Na Região Metropolitana do Recife, a situação é crítica. De acordo com o Sindicato dos Distribuidores de Combustíveis apenas 15% dos postos da RMR ainda possuem algum estoque, que devem acabar ainda hoje.

O estoque de gasolina e óleo diesel acabou na noite de ontem em postos de Crateús, Independência, Choró, Iguatu, Lavras da Mangabeira, Sobral e Fortaleza. Em Sobral e Fortaleza são postos pontuais na periferia. O presidente do Sindicato dos Postos de Combustíveis do Ceará, Manoel Novaes Neto, prevê colapso total até domingo, caso a greve dos caminhoneiros não termine.

/JÉSSICA ALVES, JOSÉ MARIA TOMAZELA, IVAN MARCOS MACHADO, LAURIBERTO BRAGA, MONICA BERNARDES, DENISE LUNA E RENE MOREIRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.