Com a alta do preço do álcool, cresce número de carros a gás

A disparada nos preços do álcool aumenta a competitividade do gás natural veicular (GNV) como combustível alternativo.. Segundo dados do Sindicato das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes (Sindicom), o número de conversões de veículos aumentou 17% em setembro e o Brasil deve superar a marca dos 800 mil veículos a gás ainda este ano.De acordo com a última pesquisa de preços da Agência Nacional do Petróleo (ANP), o metro cúbico do gás natural custa, em média, 27,8% a menos que o litro do álcool hidratado. A economia pode chegar a 54%, afirma o coordenador de GNV do Sindicom, Francisco Barros, pois o consumo de um carro a gás é menor do que o movido a álcool.Em um carro de testes usado pela Ipiranga, o gás natural rende 13 quilômetros por litro, enquanto o álcool rende apenas 7 quilômetros por litro. "A vantagem do gás sempre vai existir, mesmo em tempos de baixa no preço do álcool", afirma o executivo.Na avaliação de Barros, este é um dos motivos para o aumento no número de conversões de veículos, aliado à alta da gasolina. Até agosto, o Brasil tinha uma média de 14 mil conversões por mês. Em setembro, este número pulou para 18 mil, volume que deve ser mantido em outubro, segundo estimativas preliminares. A expectativa do Sindicom é que a marca de 1 milhão de veículos movidos a gás seja atingida já no ano que vem.CustosA conversão custa, em média, entre R$ 2 mil e R$ 2,5 mil. Alguns Estados, como Rio e Paraná, dão desconto no IPVA para carros a gás. No Rio, por exemplo, o valor do imposto fica 75% menor. Barros diz que Santa Catarina já pensa em criar incentivos e São Paulo vem estudando como ampliar o consumo de gás natural, com o objetivo de desenvolver mais rapidamente as reservas gigantes de Santos, recém-descobertas pela Petrobras

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.