Com a eleição de Lula, mercado deve se acalmar, diz Delfim

O deputado Delfim Netto (PPB-SP), que se declarou pró-Lula no 2º turno, disse hoje que o mercado vai se acalmar com a eleição de Lula. ?Não tenho dúvida alguma sobre isto. Sei que ele procurará fazer um bom governo. E se antes o mercado vivia momentos de volatilidade, era porque a economia também não vive bons momentos", explicou. Delfim, que foi reeleito deputado federal por São Paulo, explicou que "uma demonstração clara de que o Brasil não vive momentos tranquilos na economia está no fato de que foi por três vezes nos últimos 48 meses ao Fundo Monetário Internacional. ?No ano de 2000, pegou US$ 43 bilhões; em 2001, mais US$ 15 bilhões; e, em 2002, mais US$ 30 bilhões. Temos que convir que um País que vai ao FMI e pede US$ 90 bilhões, não está bem. Sua economia tem problemas". Segundo Delfim, "o déficit é uma primeira causa das dificuldades. Temos de lembrar também que o Mundo hoje enfrenta dificuldades. Há aumento de risco de recessão nos Estados Unidos, o que deixa a economia mundial em clima tenso, de apreensão. E também não podemos esquecer o terceiro fator que influiu na volatilidade brasileira, o terrorismo que veio do próprio governo, ao dizer que se Lula fôsse eleito, ocorreria uma catástrofe?. De acordo com o deputado, isso fez com que os investidores se afastassem do mercado. ?Houve muita tensão. Agora, o mercado já reagiu. Na verdade, eu diria que o Brasil tem dificuldades objetivas. O que era inventado pelo próprio governo sobre Lula acabou", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.