Com ação dos EUA, Chávez diz que petróleo pode ir a US$ 100

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, previu que os preços do petróleo podem subir acima de US$ 100 por barril, se a produção do país for atingida por uma agressão direta dos EUA, informou hoje a Dow Jones. De acordo com uma entrevista publicada no site da revista Fortune, Chávez fez esse prognóstico em uma resposta sobre se havia algum cenário no qual o país sul-americano interromperia o fornecimento de petróleo para os EUA.Ao ser perguntado sobre a possibilidade de os EUA invadirem a Venezuela ou tentarem removê-lo do poder, Chávez respondeu que não há dúvidas sobre essas hipóteses "porque você sabe quem está na Casa Branca e como ele é capaz de absolutamente tudo". As informações são da Dow Jones. Refinaria em Pernambuco será parceria com VenezuelaO porto de Suape, no litoral pernambucano, terá uma refinaria de petróleo financiada pela PDVSA (a Petrobrás da Venezuela) em parceria com a Petrobras. A refinaria já tem nome - Refinaria Abreu e Lima - e representará um investimento de US$ 2,5 bilhões, empregando mil pessoas quando em operação. A sua construção prevê o emprego de 10 mil trabalhadores. A refinaria deverá ser concluída em 2010, operando de 200 mil a 240 mil barris de petróleo do Brasil e da Venezuela.O anúncio feito ontem, por uma autoridade venezuelana, durante a Feira Transnacional de Portos, Logística e Navegação, em São Paulo, não é novidade para o governo de Pernambuco. Segundo apurou a jornalista Angela Lacerda, em Recife, a notícia foi recebida como mais uma confirmação do investimento a ser feito no estado pelo diretor-presidente do porto de Suape, Mateus Antunes. Segundo Antunes, o presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e a ministra chefe da Casa Civil Dilma Roussef já se pronunciaram sobre o investimento que deverá ser anunciado oficialmente com a presença do presidente venezuelano Hugo Chávez, em Pernambuco. A expectativa é de que este anúncio possa acontecer ainda no final deste mês ou no início de outubro, de acordo com a assessoria de imprensa do governo pernambucano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.