Estadão
Estadão

Com alta da gasolina e da conta de luz, inflação acelera para 0,40% em maio

No acumulado no ano, alta de preços foi de 1,33%, o menor nível para os 4 primeiros meses do ano desde a implantação do Plano Real

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

08 Junho 2018 | 09h09

RIO - Sob pressão dos aumentos de preços da gasolina e da energia elétrica, a inflação oficial no País acelerou em maio. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 0,22% em abril para 0,40% no último mês, informou nesta sexta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

+ ‘Há vulnerabilidade a movimentos de manada’, diz economista-chefe da XP

O resultado ficou acima das expectativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que estimavam uma inflação média de 0,30%. Ainda assim, a taxa acumulada de janeiro a maio, de 1,33%, foi a mais baixa para o período na série histórica iniciada na implantação do Plano Real.

+ FERNANDO DANTAS O Banco Central bem que avisou

A greve de caminhoneiros que paralisou o País por 11 dias já teve reflexos no IPCA. Segundo Fernando Gonçalves, gerente na Coordenação de Índices de Preços ao Consumidor do IBGE, a coleta de preços foi afetada pela ausência de produtos nas gôndolas dos supermercados. “Se faltou o produto, o consumidor não comprou”, ressaltou Gonçalves.

O levantamento de preços para o IPCA foi feito de 28 de abril a 29 de maio. A última semana do mês foi a que registrou impacto mais forte sobre os preços, justamente por conta da greve. Em maio, as famílias pagaram mais pela cebola, batata-inglesa, hortaliças e leite longa vida. Economistas esperam que haja novos reflexos da paralisação nos preços praticados no varejo em junho.

“Várias cadeias produtivas foram cortadas por essa greve, como a de produção de proteína animal. Então o impacto não é apenas direto, a transmissão dura algum tempo. E junho foi um mês de estresse no câmbio, tende a se refletir muito rapidamente no preço de alguns importados, como o trigo, que causa certa pressão no preço do pão francês, por exemplo”, apontou o analista Everton Carneiro, da RC Consultores.

Carneiro espera uma inflação mais pressionada em junho também por conta de novos aumentos no preço da gasolina e pela cobrança extra na conta de luz de R$ 5,00 a cada R$ 100 kWh consumidos, devido ao acionamento pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) da bandeira tarifária vermelha patamar 2, em substituição à bandeira amarela que vigorava em maio. “A elevação da bandeira tarifária para seu patamar máximo deve ser o principal condicionante de alta para o IPCA do próximo mês. Além disso, os preços de alimentos ficam sujeitos a oscilações para cima, em linha com o repasse das pressões recentes do atacado para o varejo”, previu Marcio Milan, analista da Tendências Consultoria Integrada.

“Nada disso, porém, é suficiente para jogar a inflação em 12 meses para 4,5% ao ano. O nível de inflação ainda está abaixo da meta. Não há motivo para elevação na taxa de juros”, avaliou Carneiro.

O economista Luiz Castelli, da GO Associados, também considera precipitado pensar em alta de juros até a eleição presidencial. “Passada a eleição, se o desfecho for desfavorável à continuidade das reformas, podem ocorrer ajustes na reunião subsequente”, opinou Castelli.

Puxada pela queda de 14,71% nos preços das passagens aéreas, a inflação de serviços recuou 0,09% em maio, o resultado mais baixo da série histórica iniciada em 2012. A taxa da inflação de serviços acumulada em 12 meses foi de 3,46% em abril para 3,32% em maio, também a mais baixa da série histórica.

Mais conteúdo sobre:
inflação gasolina energia elétrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.