Com aumento do juro nos EUA, bolsas disparam

O novo aumento na taxa básica de juros dos Estados Unidos, em 0,25 ponto porcentual, anunciado nesta quinta-feira pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), fez com que as bolsas disparassem. Apesar da taxa anual estar agora em 5,25% - a maior desde março de 2001 - a alta já era esperada pelo mercado, e a possibilidade de freio nesses aumentos deixou os investidores mais tranqüilos. Seguindo a tendência, norte-americana, na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), o Ibovespa (indicador que mede as ações mais negociadas) fechou em alta de 4,74%, para 36.486 pontos. Os ganhos foram liderados pelas ações ordinárias da TIM Participações (10,25%), seguidas pelas ordinárias da Eletrobras (9,47%). As principais baixas foram registradas pelas preferenciais da Telemig Participações (1,02%), seguidas pelas ordinárias da (0,31%).O volume financeiro do pregão foi de R$ 2,362 bilhões, com 98.257 negócios registrados. O dólar pronto, em contrapartida, fechou nas mínimas. Na roda da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) finalizou em queda de 2,03% a R$ 2,175 - menor cotação desde 18 de maio (a R$ 2,174). No balcão, o pronto encerrou em baixa de 2,12% a R$ 2,173, menor desde 16 de maio (a R$ 2,136). No mercado de juros futuros da BM&F, o contrato de DI de janeiro de 2008, um dos mais negociados, encerrou a sessão com taxa de 15,24% ante 15,48% d pregão anterior. Wall StreetEm Wall Street, as bolsas fecharam com fortes altas. O Dow Jones Industrial, indicador mais importante de Wall Street, registrou uma alta de 217,24 pontos, ou 1,98%, para 11.190,80. Segundo dados do mercado, esta é o maior crescimento em pontos desde março de 2003, e o maior em porcentagem desde abril do ano passado.O índice tecnológico Nasdaq, por sua vez, registrou um avanço de 62,54 pontos, ou 2,96%, para 2.174,38.Com relação ao resto dos indicadores, o seletivo S&P 500 subiu 26,87 pontos, ou 2,16%, paras 1.272,87 unidades, enquanto o tradicional NYSE subiu 209,16 pontos, ou 2,64%, para 8.138,86.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.