Lee Jin-man/AP
Lee Jin-man/AP

Com balanços e retorno de feriado na China, mercados internacionais fecham em queda

Além disso, os principais índices do exterior realizam lucros, após o otimismo generalizado que ganhou força com o início da vacinação contra a covid

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2021 | 07h30
Atualizado 18 de fevereiro de 2021 | 19h24

Os principais índices do exterior fecharam em queda nesta quinta-feira, 18, à medida que investidores realizaram lucros após o movimento de alta recente apoiado pela vacinação contra o coronavírus e a expectativa de retomada mais rápida da economia. Na Europa, perspectiva de alta da inflação e balanços negativos prejudicaram os índices.

Repetindo movimento de ontem, os mercados seguem pessimistas quanto às perspectivas para a inflação na Europa. A leitura é que uma possível disparada no nível de preços segure a recuperação econômica local após a crise do coronavírus. Além disso, o desempenho misto de Nova York nas últimas sessões também afeta os índices.

Balanços trimestrais de empresas listadas também movimentaram as bolsas europeias hoje e contribuíram para o viés de baixa dos índices. O Barclays fechou em queda de 4,44%, após o banco divulgar lucro menor no 4° trimestre. Em Paris, a ação do Carrefour recuou 0,61%, depois de ter subido durante a manhã. A rede de supermercados registrou queda no lucro em 2020. Já a ação da Airbus teve recuo maior, de 2,78%, com o prejuízo liquido em 2020 da companhia. Já a gigante Walmart registrou prejuízo líquido de US$ 2,09 bilhões em seu quarto trimestre.

Bolsas de Nova York

Nova York fechou em baixa hoje, em sessão marcada por indicadores com resultado abaixo do esperado nos Estados Unidos, levando pessimismo ao mercado. O ramo de tecnologia teve baixas importantes, mas o Twitter contrariou a tendência e avançou em mais uma sessão.

No noticiário, o dia foi marcado pela audiência na Câmara dos Representantes dos EUA sobre os movimentos especulativos do caso da Gamestop. O CEO da Robinhood, Vlad Tenev, afirmou que o "modelo de negócios está funcionando para os americanos comuns". Já as ações da Gamestop despencaram 11,43% no dia. Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq tiveram baixas de 0,38%, 0,44% e 0,72% cada.

Bolsas da Ásia

As Bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam sem direção única nesta quinta. A Bolsa de Tóquio caiu 0,19%, enquanto a de Hong Kong cedeu 1,58% e a de Seul teve baixa de 1,50%. Já a Bolsa de Taiwan subiu 0,38%.

Na China, os mercados voltaram a operar após uma semana de feriados por ocasião do ano-novo lunar. A Bolsa de Xangai avançou 0,55%, mas a de Shenzhen caiu 0,41%. Na Oceania, a Bolsa australiana encerrou a sessão praticamente estável e teve alta marginal de 0,01% em Sydney

Bolsas da Europa 

A divulgação da ata do Banco Central Europeu (BCE), sem grandes novidades segundo relatório da Capital Economics, não teve grandes repercussões nas bolsas. O documento reafirmou o compromisso da entidade monetária quanto à sua política monetária acomodatícia e apontou para os impactos da pandemia de covid-19 na economia europeia nos últimos meses e para o cenário a curto prazo.

O índice pan-europeu Stoxx 600, que concentra as principais empresas da região, caiu 0,82%. A Bolsa de Londres cedeu 1,40%, a de Paris teve baixa de 0,65% e a de Frankfurt recuou 0,16%. Milão, Madri e Lisboa tiveram quedas de 1,11%, 0,80% e 2,43% cada.

Petróleo 

petróleo fechou em queda nesta quinta, corrigindo avanços recentes por conta do choque na produção da commodity nos Estados Unidos com a onda de frio no Golfo do México. Após estenderem os ganhos de ontem durante a manhã, os contratos futuros de petróleo inverteram o sinal logo antes da divulgação dos estoques de petróleo nos EUA na semana passada pelo Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) americano. 

O WTI para abril fechou em queda de 1,03%, cotado a US$ 60,53 o barril, enquanto o Brent para igual mês recuou 0,64%, a US$ 63,93 o barril./ MAIARA SANTIAGO, GABRIEL CALDEIRA, MATHEUS ANDRADE E SERGIO CALDAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.