EFE/EPA/YONHAP
EFE/EPA/YONHAP

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Com balanços, decisão do Fed e coronavírus, mercados internacionais fecham sem sentido único

Balanços empresariais ruins, somados a indicadores econômicos negativos e avanço da covid-19, pesaram nas principais economias nesta quinta

Sergio Caldas, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2020 | 07h30
Atualizado 30 de julho de 2020 | 18h46

As principais Bolsas do exterior fecharam majoritariamente em baixa nesta quinta-feira, 30, à medida que investidores acompanham com apreensão a disseminação do coronavírus pelo mundo e apesar da promessa do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) de manter uma postura ultra-acomodatícia durante a crise da covid-19

O avanço do coronavírus limita o apetite por risco na Ásia. Na quarta-feira, 29, os casos de covid-19 no mundo ultrapassaram a marca de 16,8 milhões, com mais de 662 mil mortes. Já o Fed manteve seus juros inalterados, como se previa, mas reiterou a disposição usar toda a gama de ferramentas disponíveis para apoiar a economia dos Estados Unidos em meio à crise gerada pelo coronavírus.

Os dados negativos predominaram no mercado nesta quinta, a começar pela queda recorde de 32,9% do PIB dos EUA no segundo trimestre e do tombo de 10,1% do PIB da Alemanha no segundo trimestre deste ano. 

Bolsas da Ásia 

Na China continental, os mercados chineses interromperam uma sequência de três pregões de ganhos, com investidores estrangeiros embolsando lucros do recente avanço. O índice Xangai Composto caiu 0,23%, e o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 0,43%.

Em outras partes do continente, o japonês Nikkei manteve a fraqueza recente, com queda de 0,26% em Tóquio, pressionado por ações do setor aéreo e de concessionárias de serviços, e o Hang Seng se desvalorizou 0,69% em Hong Kong, diante do fraco desempenho de papéis do setor financeiro.

Por outro lado, o sul-coreano Kospi avançou 0,17% em Seul, favorecido por ações de montadoras e de fabricantes de eletrônicos, e o Taiex subiu 1,45% em Taiwan. Na Oceania, a Bolsa australiana ficou no azul, embora o Estado de Victoria tenha anunciado novo recorde de casos de coronavírus em 24 horas, de 723. O S&P/ASX 200 avançou 0,74% em Sydney.

Bolsas da Europa 

As Bolsas da Europa foram duramente afetadas pelos resultados negativos dos balanços de importantes empresas, como o banco Lloyds, a AirBus e a VolkswagenTambém chamou a atenção, a fala da diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, ao dizer que a recuperação do mundo será parcial e desigual. Segundo ela, formuladores têm de ser cuidadosos para não retirar estímulos antes da hora.

Quedas generalizadas - e expressivas -, foram sentidas no velho continente, onde alguns dos piores balanços empresariais foram divulgados. Por lá, o Stoxx 600 encerrou em baixa de 2,16%. Londres caiu 2,31%, Paris cedeu 2,13% e Frankfurt teve baixa de 3,45%. As Bolsas de MadriMilão e Lisboa também tiveram quedas profundas, de 2,91%, 3,28% e 2,05% cada. 

Bolsas de Nova York

Em Nova York predominou o sinal único do mercado, com os investidores à espera dos balanços das gigantes de tecnologia, que saíram somente após o fechamento do mercado. Por lá, Dow Jones caiu 0,85% e o S&P 500 cedeu 0,37%. No entanto, o Nasdaq subiu 0,43%, apoiado pela alta das techs.

Por lá, fica no radar a aprovação por parte de um comitê do Senado americanio, de um projeto de lei para que americanos processem a China por danos provocados pela covid-19.

Petróleo 

Os contratos futuros do petróleo fecharam o pregão desta quinta em queda, em meio a uma piora no sentimento global, com os balanços ruins e os indicadores econômicos negativos. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para setembro, referência no mercado americano, recuou 3,27%, a US$ 39,92 o barril, abaixo de US$ 40 o barril pela primeira vez em três semanas. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent, referência para o mercado europeu, para outubro caiu 1,90%, a US$ 43,25 o barril./COLABOROU MAIARA SANTIAGO E IANDER PORCELLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.