Com Bolsa na lanterna, dólar é a aplicação mais rentável do ano

Moeda americana avança 12,69% em 2014; Bovespa recua 8,62% em dezembro e 2,91% no ano - segunda perda anual consecutiva

ANNA CAROLINA PAPP, O Estado de S.Paulo

31 Dezembro 2014 | 02h03

O dólar comercial foi o investimento mais rentável em 2014, com valorização de 12,69%. Já a Bovespa ficou na lanterna pelo segundo mês seguido, acumulando perdas de 8,62% em dezembro e de 2,91% no ano.

"Com o fim dos estímulos monetários nos EUA, a maioria das moedas se desvalorizou frente ao dólar nesse ano", diz Fabio Colombo, administrador de investimentos. Já o ouro liderou as aplicações em dezembro, com alta de 4,21%. No ano, avançou 12,04%.

Para Colombo, o câmbio deve continuar pressionado, pela expectativa de elevação de juros nos Estados Unidos. No entanto, por ser muito volátil, o investidor deve ser cauteloso. "Vai depender muito dos Estados Unidos. Assim, ter de 10% a 20% de aplicações em fundos indexados ao dólar ou ao ouro pode ser uma espécie de proteção ao portfólio."

Já o Ibovespa, principal termômetro do mercado acionário brasileiro, fechou 2014 com perdas pelo segundo ano consecutivo. "Além da valorização do dólar, tivemos problemas internos como baixo crescimento, pressão inflacionária, contas fiscais desajustadas e a crise na Petrobrás", diz Colombo. "Porém, por já estar há muito tempo patinando, mesmo que o crescimento para o ano que vem seja bastante tímido, acredito que a Bolsa tem uma perspectiva de valorização melhor do que a renda fixa, por exemplo", diz.

A renda fixa, que liderou as aplicações no primeiro semestre, fechou o ano com alta de 8,91%, e os fundos DI, de 8,50%. "Uma boa opção para 2015 são os investimentos atrelados ao CDI, entre eles CDB, LCI, LCA e letras de câmbio", diz o educador financeiro Mauro Calil. "O aumento da Selic fará com que o CDI aumente naturalmente, então pós-fixados no CDI terão uma rentabilidade boa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.