Com cautela, dólar sobe e quebra sequência de 8 baixas

A moeda norte-americana subiu 0,36% e encerrou a R$ 1,6910, mas ainda acumula queda de 3,54% no mês

Fabio Gehrke, da Reuters,

11 de abril de 2008 | 16h26

O dólar acompanhou o mau humor externo e fechou em alta nesta sexta-feira, quebrando a sequência de oito sessões de baixa. O dia foi de cautela e poucos negócios. A moeda norte-americana subiu 0,36% e encerrou a R$ 1,6910, mas ainda acumula queda de 3,54% no mês.   Veja também: Lula não dá palpite sobre juros, mas quer combater inflação Lula diz que alta dos alimentos é 'inflação boa' Economia global vive situação entre 'gelo e fogo', diz FMI Produção maior é saída contra inflação, diz Lula Especial sobre a crise de alimentos  Celso Ming explica a alta da inflação  Entenda os principais índices de inflação  Corte de gastos do governo poderia substituir alta de juros  Entenda a crise nos Estados Unidos    O decepcionante resultado trimestral da General Eletric e fracos dados sobre a confiança do consumidor norte-americano deram o tom pessimista aos mercados. Em Wall Street, os principais índices acionários caíam cerca de 2% no final da tarde, enquanto a bolsa paulista recuava 1,5%. "(O cenário) piorou depois do resultado da GE", disse Rodrigo Ferreira, operador do Banco Alfa de Investimento, lembrando que o mercado deve ficar ainda mais atento aos movimentos externos com a chegada da temporada de divulgação de resultados corporativos. "O pessoal está assumindo uma cautela em suas posições, semana que vem tem muito resultado importante para ser observado." Na próxima semana, serão divulgados os resultados trimestrais de importantes instituições financeiras como JP Morgan Chase, Merrill Lynch e Citigroup. Segundo José Roberto Carreira, gerente de câmbio da Fair Corretora, a alta desta sessão se deve muito a um movimento de precaução, não refletindo uma inversão de tendência. "Por ser sexta-feira, o pessoal fica mais precavido. O volume (de negócios) está bem pequeno." Carreira acrescentou que, se não houver nenhuma notícia muito ruim e se confirmar o aumento do juro pelo Comitê de Política Monetária (Copom), a tendência é de queda do dólar frente ao real. Na próxima quarta-feira, o Copom anuncia a decisão sobre a Selic e a maioria no mercado acredita que a autoridade financeira elevará a taxa em pelos menos 0,25%. No meio da sessão, o BC realizou um leilão de compra de dólares no mercado à vista, definindo taxa de corte a 1,6853 real.

Tudo o que sabemos sobre:
DólarMercado financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.