Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Preocupações eleitorais continuam e dólar fecha cotado a R$ 4,06

Moeda americana chegou a ser negociada a R$ 4,09 com a divulgação de nova pesquisa eleitoral, que reforça preferência dos entrevistados pelo candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva

Reuters

22 Agosto 2018 | 09h55
Atualizado 22 Agosto 2018 | 18h27

O dólar fechou em alta nesta quarta-feira, 22, pela sexta vez consecutiva, cotado a R$ 4,0614, em alta de 0,49%, após recentes pesquisas de intenção de votos para a eleição presidencial mostrarem cenário difícil ao candidato que mais agrada ao mercado, Geraldo Alckmin (PSDB), e a possibilidade de segundo turno com a participação do PT.

A moeda norte-americana, entretanto, encerrou longe da máxima do dia, num movimento de correção alimentado também pelo banco central dos Estados Unidos, que reforçou a indicação que continuará subindo os juros apenas de forma gradual, movimento que influencia o fluxo de capital global.

No início da tarde, a moeda chegou a ser cotada a R$ 4,0912, após de ter fechado na véspera no patamar de R$ 4 pela primeira vez desde fevereiro de 2016, na quinta sessão consecutiva de alta.

“As pesquisas, no geral, não mostram muitas divergências... Estamos num contexto em que Alckmin não decola”, afirmou o analista-chefe da corretora Rico Investimentos, Roberto Indech.

O pano de fundo segue sendo de cautela com as eleições, pesquisa Datafolha mostrou que o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, lidera a corrida presidencial com 22% das intenções de voto quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não aparece na disputa, seguido por Marina Silva (Rede), com 16%. Neste cenário, Alckmin tem 9%.

Na semana, pesquisas da CNT/MDA e Ibope/Estado/TV Globo já haviam mostrado quadro semelhante, que acabou estressando os mercados e levando o dólar ao patamar de R$ 4. Alckmin é visto pelo mercado como um político comprometido com reformas que considera importantes para o ajuste fiscal do país.

No cenário do Datafolha em que Lula aparece como candidato, o ex-presidente lidera com 39% de apoio e 48% dos entrevistados não votariam em um candidato apoiado por Lula, mas que 31% disseram que votariam com certeza e 18%, talvez.

“A leitura mais plausível segue de iminente segundo turno entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad”, trouxe a corretora H.Commcor em relatório, ao acrescentar que, se esse cenário se concretizar, “Bolsonaro será alvo da torcida do mercado financeiro, especialmente pelo economista Paulo Guedes (coordenador do programa econômico do militar na reserva)”.

No Brasil, o dólar operou o dia todo na contramão do exterior, onde cedeu ante outras divisas de países emergentes. À tarde, a alta no mercado local começou a suavizar e ganhou mais reforço após a divulgação da ata do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, e que reforçou a indicação que continuará subindo os juros de forma gradual.

Até agora, o Fed já elevou a taxa de juros duas vezes neste ano e os agentes econômicos acreditam que outras duas altas ocorrerão neste ano diante da força econômica do país.

“Depois da esticada, é natural o dólar se acomodar um pouco”, argumentou um operador de câmbio de uma corretora local.

O avanço recente do dólar ante o real já alimentava avaliações sobre eventual atuação maior do Banco Central no mercado de câmbio mas, por ora, a leitura era de que ainda é cedo para esse movimento.

“Acho que ele deve aguardar um pouco, por causa de notícias externas e internas. É uma foto do momento em cima de pesquisa eleitoral”, avaliou Indech, da Rico Investimentos.

Por enquanto, é isso que o BC está fazendo e, nesta sessão, apenas ofertou e vendeu integralmente 4,8 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, rolando 3,84 bilhões de dólares do total de 5,255 bilhões de dólares que vence em setembro.

Ações se recuperam

A Bolsa teve recuperação nesta quarta-feira, com o Ibovespa, principal índice de ações do País, fechando em alta de mais de 2%, após atingir mínima em quase seis semanas na véspera, em meio à cobertura de posições vendidas e presença de estrangeiros, embora persistam as preocupações com o quadro eleitoral no país.

Segundo dados preliminares, o principal índice de ações da B3 subiu 2,16%, a 76.801,36 pontos, revertendo uma fraqueza do começo do dia, quando chegou a cair 0,4%. O volume financeiro alcançava quase 9 bilhões de reais.

Mais conteúdo sobre:
câmbio eleições 2018 dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.