Com chuvas, reservatórios recuperaram armazenamento

Os reservatórios das grandes hidrelétricas do Sudeste estão recuperando sua capacidade de armazenamento de água, após as perdas aceleradas observadas no período de seca de 2006, quando o nível caiu de 87,29% da total possível de armazenamento em abril para 42,38% no final de novembro, uma redução de 45 pontos porcentuais. Em 2005, no mesmo intervalo, a redução havia sido bem menor, atingindo cerca de 27 pontos porcentuais, com os reservatórios caindo de 85,75% para 59,25%, o que ilustra a profundidade da seca em 2006, especialmente na região Sul.Conforme os registros do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a seca no Sul foi a pior já registrada na região durante os 70 anos de observação catalogados naquele órgão. No mês de dezembro, porém, as chuvas foram abundantes e "caíram no lugar certo", como explica um técnico do setor. "O ideal é que chova muito no interior de Minas Gerais e de Goiás, pois há o aproveitamento da água ao longo das bacias, em diversas hidrelétricas, até chegar a Itaipu", explicou. "Este ano, até agora, as chuvas foram mais intensas na bacia do rio Paranaíba, o que é bom para o sistema elétrico brasileiro", disse.Com isso, só em dezembro, houve a recuperação de 10 pontos porcentuais na recuperação do armazenamento, que subiu para 53,30% na região Sudeste. Se em janeiro o ritmo de chuvas continuar favorável, os técnicos do setor ficarão mais confortáveis para administrar o sistema interligado nos próximos dois anos.Transferência de energiaA queda mais acentuada no Sudeste resultou também da estratégia do ONS de transferir blocos maciços de energia para o Sul, para preservar os reservatórios da região. Além disso, o ONS não pôde lançar mão das usinas térmicas instaladas no Sul, seja por questões políticas, como foi o caso da usina de Araucária (Paraná) ou por falta de gás natural, na térmica de Uruguaiana (RS). Os argentinos assinaram contrato para fornecer para Uruguaiana, do grupo AES, mas têm suspendido a entrega no inverno (entre maio e setembro). A Companhia de Interconexão Energética (Cien), do grupo Endesa, também tem tido problemas com o abastecimento de gás argentino e não está podendo cumprir os seus contratos com Furnas.Região NordesteA região Nordeste, tradicionalmente a mais problemática em termos de suprimento de água, tem mantido os seus reservatórios cheios nos últimos anos. Em novembro, os reservatórios da região estavam em 52,54% da capacidade máxima de armazenamento, praticamente o mesmo nível observado em novembro de 2005, considerado um dos melhores períodos da história da região.Isso tem sido possível pelo acordo entre a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e a Petrobras. Como a estatal não tem conseguido entregar gás natural para as térmicas da região, a empresa tem gerado em suas térmicas no Sudeste e transferido energia para o Nordeste, preservando a água naquelas hidrelétricas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.