Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Com controle de custos, lucro do Pão de AÇúcar sobe a R$60,4 mi

O lucro líquido do grupo Pão deAçúcar teve um salto de 118,9 por cento no segundo trimestre doano, para 60,4 milhões de reais, sobre o mesmo período de2007. A companhia, segunda maior rede de varejo do país, alcançouuma receita líquida de 4,239 bilhões de reais no período deabril a junho, com elevação de 19,5 por cento sobre o mesmointervalo do ano anterior. No conceito de mesmas lojas, o aumento da receita líquidafoi de 7,4 por cento, segundo o balanço divulgado nestaterça-feira. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização(Ebitda, da sigla em inglês) subiu 33 por cento sobre o segundotrimestre do ano passado, para 303,7 milhões de reais, o quegerou uma margem Ebitda de 7,2 por cento (alta de 0,8 pontopercentual). "A gente teve um efeito calendário importante porque aPáscoa no ano passado aconteceu no primeiro trimestre. Mesmoassim, tivemos um crescimento dessa ordem", disse EnéasPestana, vice-presidente financeiro, em teleconferência sobreos resultados. A companhia conseguiu 2,8 pontos percentuais de redução nasdespesas operacionais sobre as vendas líquidas, para 18,9 porcento das vendas. Segundo o executivo, o resultado é fruto do trabalho quevem sendo feito na companhia desde a reestruturação iniciada emdezembro passado, com a vinda do atual presidente, CláudioGaleazzi. "É um esforço constante", afirmou. O resultado financeiro líquido do período totalizou 81milhões de reais negativos ante 52,7 milhões negativos no mesmotrimestre de 2007. Contribuíram para esse resultado, segundo o grupo, aconsolidação do leasing das lojas do atacadão Assai em cerca de4 milhões de reais, a redução dos juros sobre vendas a prazo em5 milhões de reais, atualização de provisões para contingênciasem 12 milhões, redução dos juros sobre financiamento deimobilizações capitalizados em 2 milhões e elevação do custofinanceiro de 5 milhões de reais em função da dívida líquidamaior. Outro reflexo das decisões da nova gestão foi a queda nosinvestimentos. A rede de varejo investiu 105,2 milhões de reaisno trimestre, menos de metade dos 216,7 milhões de reaisaplicados entre abril e junho de 2007. "Dados do setor revelam que, apesar da alta da inflação edo aumento dos juros, o comércio varejista não tem sentido odesaquecimento das vendas, sendo sustentado pelo aumento damassa salarial e do crescimento no crédito", diz a empresa emseu balanço. (Por Taís Fuoco)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.