Yann Schreiber/AFP
Yann Schreiber/AFP

R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Com coronavírus, PIBs da Europa têm forte retração no 1º trimestre

Na zona do euro o recuo na atividade econômica foi de 3,8% na comparação com o quarto trimestre de 2019; com queda de 5,8%, a França entrou em recessão técnica e a economia da Itália encolheu 4,7%

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2020 | 08h10

Um dia após os Estados Unidos divulgarem contração de quase 5% no PIB, a zona do euro, França e Itália informaram dados semelhantes, em meio à pandemia do novo coronavírus, causador da covid-19, que tem provocado isolamento social, com lojas fechadas, menor movimentação nas ruas e produções reduzidas, ou, até mesmo, paralisadas. 

O Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro encolheu 3,8% no primeiro trimestre de 2020 ante o quarto trimestre de 2019, sofrendo a maior contração da série histórica iniciada em 1995, segundo dados preliminares divulgados pela agência oficial de estatísticas da União Europeia, a Eurostat. Em relação ao mesmo período do ano passado, o PIB do bloco recuou 3,3% entre janeiro e março. Os resultados vieram em linha com as previsões de analistas consultados pelo The Wall Street Journal

Na França, a contração foi de 5,8% no primeiro trimestre de 2020 ante o quarto trimestre de 2019, a maior da história, segundo dados preliminares divulgados pelo Insee, como é conhecido o instituto de estatísticas do país. O resultado veio pior do que o esperando por analistas, que previam queda de 4,2% no período.

Como o PIB francês já havia encolhido 0,1% no último trimestre do ano passado, a economia do país entrou em recessão técnica com o resultado dos primeiros três meses de 2020. Em relação ao mesmo intervalo de 2019, o PIB da França sofreu um tombo de 5,4% entre janeiro e março, informou o Insee. 

Na Itália, o recuo no PIB foi de 4,7% no primeiro trimestre de 2020 ante o quarto trimestre de 2019, segundo o Istat, instituto de estatísticas do país. O resultado, no entanto, veio melhor que as estimativas de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam queda de 5%. Na comparação anual, o PIB italiano encolheu 4,8% entre janeiro e março; neste caso, a previsão era de queda de 5,2%. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.