Ana Paula Freitas/Facebook
Ana Paula Freitas/Facebook

Com crise dos combustíveis, estabelecimentos 'fazem entrega' a cavalo

Ação de marketing em São Paulo e Brasília demonstrou apoio aos caminhoneiros com bom humor

Alexandre Bazzan, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2018 | 23h44

Após cinco dias de paralisação dos caminhoneiros em todo o Brasil, a cadeia de serviços sofre com o desabastecimento. Com o estoque de combustíveis perto do fim, hospitais cancelaram cirurgias eletivas, a Prefeitura de São Paulo limitou a coleta de lixo e a frota de ônibus e até a polícia reduziu o período das rondas das viaturas. Em meio ao caos, há quem consiga enxergarar algo positivo. Empresários das capitais paulista e federal fizeram entregas a cavalo como uma ação de marketing para demonstrar apoio à greve.

Daniel Franco, da empresa de bebidas Saideira do Brasil, arrumou cavalos para suprir a falta de gasolina das motos. "Foi uma ideia de marketing, mas quem sabe não usamos se o desabastecimento permanecer", brinca. Os cavaleiros com capacete e mochilas típicas dos motoboys chamaram a atenção das pessoas no bairro de Pinheiros e a novidade fez sucesso no Twitter.

++ Greve dos caminhoneiros afeta programações culturais 

++ Greve afeta distribuição de jornais; assinante do ‘Estadão’ pode ler Edição Digital no site 

Junior Tadayoshi teve a mesma ideia, mas descarta usar os cavalos como transporte para o delivery: "Foi mais uma forma de demonstrar apoio aos caminhoneiros, até porque é perigoso andar com os animais pela cidade". Tadayoshi é proprietário da cadeia de lanchonetes 389 Burger, com lojas em Brasília e cidades do Planalto Central, e reclama dos altos preços dos combustíveis. "Temos caminhões e sofremos com o problema", diz ele.

 

Pediu chegou!!! Peça seu 389 que entregamos pra você rapidinho.⚜️#cavaloboy #389burger #foto #mangalargamarchador

Uma publicação compartilhada por aquiles França (@aquiles_monteiro) em

Os dois empresários conseguiram os cavalos junto a haras das regiões e também contrataram cavaleiros para não colocar em risco funcionários. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.