Com crise, Europa pára emissões corporativas por um mês

Segundo banco francês, esse é o período mais longo sem emissão corporativa na região desde 2001

Marcílio Souza, da Agência Estado,

10 de outubro de 2008 | 12h35

Completou um mês na última quinta-feira, 9, que as companhias européias não lançam novos bônus no mercado, informou a Dealogic. De acordo com a consultoria e provedora de dados, não houve nenhuma emissão de bônus corporativos denominados em euros desde a venda de 850 milhões de euros em títulos anunciada pela companhia de telecomunicações holandesas KPN em 9 de setembro. A transação na época foi colocada a 175 pontos base sobre a taxa mid-swaps.  Veja também:'EUA podem e vão resolver a crise', diz BushBush receberá ministros do G7 na Casa BrancaComo o mundo reage à crise Reino Unido congela ativos do banco islandês LandsbankiFMI age para garantir crédito a emergentesConfira as medidas já anunciadas pelo BC contra a criseEntenda a disparada do dólar e seus efeitosEspecialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira Veja como a crise econômica já afetou o Brasil  Analistas do banco francês Société Générale confirmaram a informação, acrescentando que esse é o período mais longo sem emissão corporativa na região desde o início de seus registros, em 2001. O aumento da incerteza, por causa da situação caótica dos mercados financeiros, é sem dúvida a razão para a seca de bônus.  Enquanto a turbulência não passar, os investidores se contentarão em ficar de lado. "Eu acho que as pessoas nem têm uma boa idéia de onde estão os spreads neste momento", disse Rupert Lewis, do BNP Paribas. "Não há praticamente nenhuma liquidez no secundário". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeiraEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.