Com crise nos EUA, FMI prevê crescimento menor em 2008

Fundo prevê que turbulência nos mercados reduzirá ritmo de expansão da economia global para 4,1%.

BBC Brasil, BBC

29 de janeiro de 2008 | 14h05

O Fundo Monetário Internacional (FMI) já admite que o impacto da crise nos Estados Unidos deve reduzir o crescimento mundial neste ano para 4,1%. A projeção anterior, feita em outubro, era que o Produto Interno Bruto (PIB) seria de 4,4% em 2008. Como a revisão do World Economic Outlook (Panorama Econômico Mundial) apontou ainda que o crescimento em 2007 ficará em 4,9%, a queda no crescimento de um ano para outro será de 0,8 ponto porcentual.   "Depois de forte crescimento ao longo dos últimos quatros meses de 2007, a expansão econômica global começou a perder força em resposta à contínua turbulência do mercado financeiro", aponta.   Para chegar a estes números, a  instituição explica que nos últimos meses de 2007 a economia dos Estados Unidos sofreu o impacto do enfraquecimento dos setores imobiliário, manufaturados, emprego e consumo.  Por conta desses fatores, o FMI projeta que a economia americana deverá crescer 1,5% em 2008, uma redução de 0,4 ponto percentual em relação às projeções de outubro.  Para 2007, a expansão deverá ser de 2,2%, um pouco mais do que os 1,9% previstos no documento anterior. O FMI aponta que, apesar de uma desaceleração nas exportações, os mercados emergentes continuaram se expandindo nos últimos meses do ano passado, guiados pela China e Índia.  A revisão do Panorama Econômico Mundial prevê que o crescimento dos países em desenvolvimento em 2007 seja de 7,8%, mas estima que em 2008 a expansão será menor: 6,9%. "O maior risco para o crescimento global é que a atual turbulência nos mercados reduza a demanda interna nas economias desenvolvidas e crie excedentes nos mercados emergentes", avalia o relatório. "O crescimento nas economias emergentes que são altamente dependentes do fluxo de capital poderão ser particularmente afetadas, ao mesmo tempo que a demanda interna em alguns desses mercados represente um grande potencial de expansão."    

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.