REUTERS/Marcos Brindicci
REUTERS/Marcos Brindicci

Com dólar alto, gasto do brasileiro no exterior recua 30% em setembro

Despesas de brasileiros no exterior somaram US$ 1,189 bilhão em setembro, abaixo dos US$ 1,716 bilhão no mesmo mês de 2017

Fabrício de Castro e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

25 Outubro 2018 | 12h27

A conta de viagens internacionais registrou novamente déficit, de US$ 816 milhões em setembro, informou nesta quinta-feira, 25, o Banco Central (BC). O desempenho da conta de viagens internacionais foi determinado pelas despesas de brasileiros no exterior, que somaram US$ 1,189 bilhão em setembro, abaixo dos US$ 1,716 bilhão de um ano antes, uma redução de 30,71%. Já o gasto dos estrangeiros em passeio pelo Brasil ficou em US$ 373 milhões no mês passado, ante os US$ 407 milhões de setembro de 2017.

O chefe-adjunto do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Renato Baldini, destacou a redução de 37,7% no déficit da conta de viagens ao exterior em setembro, na comparação com o mesmo mês do ano passado. No mês passado, o saldo negativo foi de US$ 816 milhões, ante US$ 1,309 bilhão no mesmo mês de 2017.

“As despesas com viagens são bastante sensíveis à taxa de câmbio, que teve depreciação nos últimos meses. Os gastos em setembro (US$ 1,189 bilhão) deste ano foram os menores desde maio de 2016”, afirmou. “O câmbio médio em setembro ficou em R$ 4,12, ante R$ 3,13 em setembro do ano passado”, completou.

Já o resultado das transações correntes ficou positivo em US$ 32 milhões em setembro deste ano, após o déficit de US$ 717 milhões em agosto, informou o BC. A instituição projetava para o mês passado déficit de US$ 600 milhões na conta corrente.

O número do mês passado ficou dentro do levantamento realizado pelo Projeções Broadcast, que tinha intervalo de déficit de US$ 1,000 bilhão a superávit de US$ 1,360 bilhão (mediana positiva de US$ 200 milhões).

A balança comercial registrou saldo positivo de US$ 4,563 bilhões em setembro, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 2,241 bilhões. A conta de renda primária também ficou deficitária, em US$ 2,434 bilhões. No caso da conta financeira, o resultado ficou positivo em US$ 644 milhões.

No acumulado do ano até setembro, o rombo nas contas externas soma US$ 7,435 bilhões. A estimativa do BC, atualizada em setembro, é de déficit em conta corrente de US$ 14,3 bilhões em 2018.

Já nos 12 meses até setembro deste ano, o saldo das transações correntes está negativo em US$ 14,495 bilhões, o que representa 0,75% do Produto Interno Bruto (PIB).

Mais conteúdo sobre:
dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.